Segundo dia de Festival DoSol, o Céu é o limite

Textão longo e cheio de piadas ruins. Do jeito que eu gosto.

Plutão mudou de nome pra Marina Silva
Enquanto Plutão não se decide se é planeta ou não, Plutão Já Foi Um Planeta já tem público fiel, que chega cedo pra assistir e cantar junto. Raphael arrasou na bateria, mas a menina-do-teclado com cabelos modernos e voz parecida com a de Cris Botareli (Far From Alaska) é uma jujubinha. Ela é um show à parte.

A banda que só tem “mininu bom”
Ópera Lóki conta com a nata da psicodelia potiguar. Rafael e Olavo (Bonnies), Chaves (o próprio), menino Nazário (o de bigode, com talabarte do reggae) e o inconfundível Arthur Costa-Pedro (o vocalista mais lóki, que também toca no Esquizofunk). Roquenrou tropicalista com suingue. Dança, gatinho!

Olha, o cara do Ramones!
Tirando o guitarrista (que é a cara de Joey Ramone), os músicos do Velociraptors são todos de Mossoró, aquela cidade que parece um criadouro de som pesado. Pense numa galera pra gostar de distorção! Acordes pesados. Quase punk. É a banda de Andola, po.

Zurdo
A primeira banda que atrasou no festival. Mas foi porque a passagem de som demorou um pouco mais. É a banda de Henrique Geladeira, o homem do maior currículo do mundo. Você gosta de alguma banda de rock de Natal? Pois ele já tocou ou já gravou com ela. Destaque para Leandro Menezes que também toca no Mahmed e fez o show com a camiseta do Kung Fu Johnny. Globalização, má!

Guitarrista fuderoso do caralho
Sabe o White Stripes? Pronto. Red Boots. Só dois caras. Uma guitarra e uma bateria. O guitarrista também canta. E também afina a guitarra no meio da música, sem parar de tocar. E volta na mesma música. São de Mossoró. Red Boots. Som absurdamente fuderoso, pesado, bonito, robusto, barbudo. Red Boots. 100 or, o que foi aquilo? O Galpão 29 tremia junto com o som deles. Gente. O que é aquela banda? Gente… Red Boots.

Mad Grinder
O show do Red Boots foi um negócio tão hipnotizante que eu perdi o Mad Grinder. Vocês já viram o guitarrista do Red Boots tocando?

Skarimbó
Rola um container surpresa esse ano, com bandas que tem apenas 15 minutos de show, num palquinho no chão, apertadinho, patrocinado pela TIM. O Skarimbo foi a primeira banda, mas ficou difícil até pra dançar o hit gostosinho deles: “Chegou na cidade um sonzinho fuleiro”, com o vocalista brincando de Tim Maia e reclamando do som do container o tempo todo. EU FALO MERMO.

Uruguay Melhor Em Tudo
Circo de Pulgas era a banda do Uruguay, com integrantes na faixa dos 30, 40 anos, tocando um som digno de Dream Theater. Só que mais levinho e limpinho. Eles são bem simpáticos e engraçados. Muito amor pelo Uruguay.

The Baggios
É TheBaggio da saia que eu vou. Ai, cara, não gostei não. Só uma guitarra e uma bateria, mas sem um terço da agressividade do Red Boots. Pronto, só isso. É roquenrou, a galera tava lá, enlouquecendo no show deles. E tinha muita gente, inclusive. Ah, eu não gostei, me deixa!

Johnatan Richard
Tinha um baixo acústico enorme, bege claro, lindo, e não tinha quase ninguém na platéia do DoSol. Lógico que eu fui ver, né? Pois quando eu entrei, eles tavam tocando rockabilly anos 60… Quando eu parei na frente do palco, puxaram Rock Around The Clock… Aí eu acho que tive uma alucinação, e vi Andola na bateria. Mas a banda não é de Pernambuco? Não entendir.

Ana Morena Tarra Gata
O Camarones começou destruindo tudo, e o cara da iluminação deu um gás especial no show deles. Tem que agradar o patrão, má! Mas nem precisava. Roquenrou instrumental do bom, pesado e afinadinho, com direito a dançarina e tudo. Yves toca sem camisa pra tentar sensualizar mais do que Fausto >>> Repassem! #YvesSensualizano

Drakula
Perdi o show de Lord Vlad porque tava vendo Camarones. Tem que agradar o patrão, má!

Turbo
Segunda banda a atrasar. Começou incríveis 15 minutos depois do horário. É uma banda de punk rock da caveira preta, made in Pará, com um japonês tocando baixo. CERTEZA que aquele japonês é um daqueles milionários das importações da China, via zona franca, no Pará. Roquenrou malvadão, quadradão, rasgadão, abre a roda ae que eu vou pogar!

Jorge Cabeleira
Perdi porque tarra pogando.

Black Century
Depois parei no container da Tim pra assistir Black Century. Era um hard rockzinho de leve, do menino que parece Jesus e deveras simpático. Boa sorte na carreira, viu menino? Você é ótimo!

Telma e Godela
Pois Simona tava linda, make by Jaiara Fontes. E Luiz beijou um fã em cima do palco. OZADO. É a coisa mais linda do mundo, ver todo mundo cantando todas as músicas do show, do começo até o fim. Sucesso absoluto. Vida longa ao Talma&Gadelha, mas eu vou morrer pedindo um show de blues a Simona Trauma. Que mulher!

Boogarins
Perdi porque estava tirando fotos para o #NeverHideBrasil. Uma ação de marketing da RayBan que mistura ARG, Redes Sociais e guerrilha. Uma aula! Você vai pro rock, tira uma foto, posta no instagram com #NeverHideBrasil e a maquininha imprime lá, na hora, pra você.

Rapadura e Fukai
Perdi os dois. Poxa, botar pra tocar na mesma hora é sacanagem!!! Queria ver os dois. Mas perdi porque ganhei pulseirinha da área vip e tava lá, curtindo a discotecagem de Emmily Barreto (FonFon Alaska), comendo picolé caseiro caicó e bebendo vodka com suco de maçã. Tudo na faixa.

Aldo The Band
Disseram que era roquenrou pesado, mas com muito efeito eletrônico modernoso, a la Daft Punk, e que eles vão tirando a roupa durante o show. Eu já gostei! Mas perdi esse show também, porque tava cantando Raça Negra, no videokê da área vip. #DesculpePorTudo

Maíra Salles
Perdi também, porque tava na fila pra cortar o cabelo no stand da RayBan, na área vip. CHORA HATERS. Inclusive, fui convidada pra gravar Se Beber, Não Case III. O diretor se inspirou na minha história, de jovem funkeira que entra na área vip, bebe todas e volta pra casa careca. À propósito, eu já disse que o cabeleleiro passou a máquina 2 no meu cabelo?

A Mulher Verão
Esse eu não perdi, né? O homem. A lenda. >> Mista Priguissa << Casa lotada até a tampa, todo mundo canta todas as músicas, até o fim, e dança até o chão. É mais que sucesso, deveria ser proibido! As pessoas ficam hipnotizadas ao som do raggamuffin. Como sou gaiata, atravessei o show no meio e cantei duas musiquinhas. As mesmas de sempre. É gente, me deixa. Vocês tem plano de saúde?

Camila Masiso
Eu perdi porque tava cantando com Priguissa, e acabei emendando pra ver Céu. Desculpa, Camilinha! Maravilhosa! Queria ter visto! Na internet tá todo mundo dizendo que foi lindo. Perdi mesmo… :'(

Céu
Ah, cara. Eu não gosto dela, não. Músicos profissa, ela é linda pessoalmente, os caras também, o som é bom, bem tocado, afinadinho… Eu não gosto porque sou chata, mesmo. E o povo lá! Endoidando! Dançando ciranda, virando cerveja, brindando aos deuses da natureza, com tecidos orgânicos e comidas saudáveis. Nada contra, tenho vários amigos que são.

Hoje é o último dia de Festival DoSol. O dia dos mais malvados de todos os malvados: os metaleiros!

Ministério da Saúde Mental adverte:
Se for beber, não fique careca.

https://www.youtube.com/watch?v=69LRid12m2Q

Previous ArticleNext Article
Danina Fromer
Analista de Mídia Digital, Musicista e Drag Queen. Comentarista Gourmet Eu passo o dia frescando no twitter. @daninafromer

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *