[ENTREVISTA] Elisa Gianvenuti – arquiteta, urbanista e colagista

Se você ainda não viu as colagens de Elisa Gianvenuti que misturam imagens do cotidiano com surrealismo, hoje nós temos a satisfação de apresentar o trabalho desta artista potiguar, que agora está morando em Roma. Elisa tem um olhar bem sensível sobre Natal e seu trabalho é muito interessante. Nesta entrevista, ela fala como tudo começou, sobre seu processo criativo e também suas referências artísticas. Se liga:

[702] Você é arquiteta e urbanista, como começou esse seu trabalho com as colagens? 
ELISA: Então, digamos que a familiaridade com recortar revistas e fazer colagens manuais eu trago desde a época da escola. Gostava de fazer colagens nas capas dos meus cadernos. Depois, na faculdade fiz um curso de Photoshop voltado para Arquitetura e assim pude começar a desbravar o software. Mas o trabalho com as colagens, como as tou desenvolvendo agora, surgiram de um dia que um amigo me ligou pra contar de uma viagem que tinha feito e começou a me descrever a cidade. Nisso, fiquei imaginando a cidade na minha mente –  e aí é onde entra sempre a minha formação em Arquitetura e Urbanismo – e decidi experimentar uma colagem digital pra representar “O que as pessoas me contam sobre as cidades”. Tentei desenvolver uma série com esse tema, tinha a cidade do meu pai, de outras amigas… mas essa série nunca saiu de fato porque não gostei do resultado estético dela, fui desenvolvendo outros trabalhos e ficou por isso. Mas posso dizer que foi o “motim”
[702]  Suas colagens misturam o espaço urbano com o homem e a arte, de onde vem a inspiração? 
ELISA:Acho que vem do fato de eu ser encantada pelo cotidiano urbano. As colagens partem de fotos que eu tirei e partir delas recrio o espaço dando voz ao meu imaginário e enfatizando relações e aspectos do cotidiano.
[702]  Quais são suas referências artísticas? 

ELISA: 
Em relação a referencias comecei de maneira muito intuitiva, mas agora estou buscando me embasar mais teoricamente e uma das vertentes que mais tem chamado minha atenção é o surrealismo. Quanto à artistas que me inspiram, a primeira colagista que conheci foi a Eugenia Loli, gosto muito das obras dela e já me renderam boas inspirações. Atualmente também tenho acompanhado muito o trabalho de Karen Lynch (@leafandpetaldesign), Marcos Guinoza (@marcosguinoza), Hugo (@_.lunatico._), Bruno baraldi (@takiisbranding) e Irie Wata (@irie.wata). Sigo muito artista massa no instagram (não só colagistas, gosto muito de acompanhar o trabalho de designers graficos também), então quando tou com algum bloqueio criativo sempre encontro boas referências no  feed do instagram. 
[702]  Como é o processo de criação das suas colagens?

ELISA:
O processo costuma acontecer de forma bem intuitiva e livre. Começo de alguma foto minha, como disse antes, e pra dar o “ponta-pé inicial” crio vazios nela recortando alguns elementos, como por exemplo o céu ou o chão. Gosto de misturar temporalidades, trabalhar o vintage com o contemporâneo e de definir paletas de cores, ultimamente tenho curtido muito utilizar cores fortes. No fim, busco dar enfase a elementos arquitetônicos e/ou urbanos. Isso em relação às colagens digitas. Recentemente comecei a experimentar também colagens analógicas. Tenho muitos (mesmo) recortes organizados numa pasta por temas (pessoas, arquiteturas, paisagens urbanas, paisagens naturais, fauna, flora…) e pra começar uma colagem analógica escolho um elemento principal (geralmente pessoas ou arquiteturas) e vou desenvolvendo a partir desse. Passei um tempo achando que não curtia fazer colagem manual, mas é um processo muito gostoso.
[702]  Como faz para adquirir o seu trabalho?

ELISA:
Só falar comigo no instagram (@por.elisa). No momento não estou morando em Natal, mas desenrolei uma logística pra continuar com a venda dos prints ai no Brasil também, e também recebo encomendas de artes personalizadas. 🙂 
Previous ArticleNext Article
Cecília Oliveira
Cecília Oliveira é Comunicadora Criativa e Produtora Cultural, atua comunicando projetos artísticos na cidade do Natal há dez anos. É gorda power, a mil por hora, apaixonada por glitter, cachorros e fotografia.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *