[Semana de Reflexões Críticas] Rio Cor de Rosa por Cássia Navas

Em 2021, a Companhia de Dança do Teatro Alberto Maranhão festejará seus 23 anos como importante instituição da dança do país. Uma companhia que se considera, ao lado de outros grupos públicos, como uma usina de arte e uma rede onde se encarnam possibilidades criativas a nutrir suas plateias, criadores e seus intérpretes.

A obra “Rio Cor de Rosa”, que assistimos em dança-documentação, com captação de imagens por única e frontal câmera, constitui-se em uma destas possibilidades. Trata-se duma estreia de 2011, fruto da criação de oito intérpretes do grupo, a partir de concepção e direção coreográfica de Clébio Oliveira, que também assina a dramaturgia da obra, ao lado de Daniela Fusaro.

A concepção deste rio tem foco na presença do sonho na experiência humana, tendo-se como ponto de partida questões psicológicas e neurológicas, o que já traz para este laboratório uma imensa ganha de abordagens. Apesar disto, a obra vai deixando visível a opção para fechar-se seu foco de origem na atuação de cada um dos intérpretes, cujas performances vão sendo costuradas pela dramaturgia/direção/coreografia do trabalho.

A ênfase desta costura recai menos numa escritura coreográfica e mais em uma interpretação mais emergentemente expressiva, num possível equilíbrio entre expressões individuais e a expressão coletiva, soma das atuações dum grupo de oito artistas. Um desafio imenso a ser encarado, em busca de um fluxo único de significados, que resta mais em projeto do que em ato.

Esta proposta, fruto de muitas das estratégias da dança moderna/contemporânea, explicita-se na cena de uma chorus line dos intérpretes, que, em linha lado-a-lado, seguem do fundo do palco até a boca de cena, articulando questões corporais em torno do tema, propondo-se como membros de uma babel que viria a se organizar e se desorganizar ao longo da criação.

Frente a nós, esta babel perde um pouco de sua especificidade pelo formato de sua documentação. Mas ainda assim, podemos perceber momentos de um trabalho mais refilado, por exemplo na cena inicial da obra. Nela uma hesitação do intérprete, que oscila entre direções, tanto no espaço individual de sua corporeidade, como no espaço geral da cena, nos é manifestada como um ondear entre fora e dentro.

“Fora e dentro” sempre será um binômio muito presente nos discursos sobre os sonhos, nos quais uma interioridade – lugar de dentro – presente no dormir, se opõe ao “lugar de fora”, este mais identificado com os estados de vigília.

Nossos sonhos se apresentam a nós mesmos, como manifestações inconscientes- posto que de outro tipo de consciência- sem que sobre elas tenhamos controle e algumas vezes nem lembrança.

Este descontrole poderia ter sido mais bem trabalhado na obra resultante deste laboratório-rio? É certo que sim, ainda que talvez ele se represente em algumas dinâmicas do grupo, por exemplo, quando os intérpretes se agrupam e desagrupam em torno de si.

O nome da obra, rio cor de rosa, aponta para um fluxo mais ou menos vago (nem branco, nem vermelho) onde desaguam as experiências de oito afluentes- intérpretes a buscar formas para sonhos encarnados em dança.

As margens deste rio são o encadeamento que o talentoso e inquieto diretor-dramaturgo dá a estas cenas, onde até mesmo a palavra (sim sonhos costumam ser multimídias) se apresenta. Tal acontece também ao final da obra, quando em black out, ressoam vozes numa língua que é imitação duma fala: um gramelot, neste momento talvez ininteligível para quem dança, para quem assiste e, por vezes, para quem sonha.

 

 


Esse texto faz parte da Semana de Reflexões Críticas com Cassia Navas em uma ação do 13º Encontro Internacional de Dança Contemporânea.

O Encontro é uma promoção de Diana Fontes Direção e Produção Cultural, com recursos da Lei Aldir Blanc Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto, Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

*Post patrocinado

Previous ArticleNext Article
Cassia Navas
Especialista em gestão/políticas culturais (UNESCO/Université de Dijon/Ministère de la Culture/France), é graduada em direito (USP) professora-colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena/Instituto de Artes/UNICAMP e doutora em dança/semiótica (PUC/SP). Curadora e consultora de vários programas em dança no Brasil e exterior, parte de seus textos podem ser encontrados no blog CASSIANAVAS ABRE ASPAS www.cassianavas.com.br e parte de suas palestras e vídeos no canal Cássia Navas, do youtube.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *