Fotolivro investiga memória e resistência de bairros históricos de Natal

“Um espaço de ruínas vivas, onde o tempo insiste em caminhar lentamente”, é essa uma das definições que o fotógrafo João Oliveira concebe ao apresentar “Onde se esqueceu de lembrar”, seu primeiro livro fotográfico solo. Fruto de uma pesquisa que durou quatro anos, o livro apresenta o atual estado de abandono da memória afetiva e arquitetônica dos bairros da Ribeira e Cidade Alta em Natal/RN. O resultado é uma investigação visual que ativa nosso sentimento de nostalgia, ao mesmo tempo que reforça a necessidade de preservação de um patrimônio que se desgasta com a ação do tempo. O livro ganhará uma versão física em breve, mas já conta com uma versão digital disponível para download em: https://www.joaooliveirafoto.com/ondeseesqueceudelembrar

Na cidade em que a gentrificação e a urbanização predatória avançam, sem piedade, sobre a memória, a pesquisa de Oliveira documenta uma Natal que ainda se conecta com outro tempo, outro ritmo. Nas fotos, as ruínas acabam contrastando com a vida que nunca abandonou esses bairros. Enquanto o tempo engole o patrimônio material, a vida insiste em ocupar esses territórios quase como um aviso de que nem tudo pode ser esquecido.

Sejam os pescadores que, desde a fundação da cidade, ainda usam o rio Potengi como espaço de sobrevivência, seja a boemia dos bares que ali sempre estiveram, e que nem tão cedo dali sairão. Existe um interesse evidente do autor em denunciar o processo de abandono desses lugares, mas também se conectar com a história que ali resiste, e com seus personagens.

“Durante a pesquisa desenvolvida nos bairros históricos de Natal entre 2017 e 2020 foi buscado revisitar locais que marcaram o início do desenvolvimento da cidade, e entender a relação do corpo urbano descolado do seu espaço e o estágio atual de abandono e esquecimento, que se confunde com a resistência do local em permanecer existindo. Um lugar no qual o tempo caminha lentamente”,  explica Oliveira na apresentação do livro.

“Onde se esqueceu de lembrar” acaba mostrando também que o combustível para a degradação do patrimônio é também a indiferença do poder público, e dos próprios natalenses com sua memória. As fotos, de maneira despretensiosa, ativam questionamentos sobre o quanto conhecemos da nossa própria história, e até mesmo se nos importamos em preservar essa parte do nosso passado.

Publicado pelo Margem Editorial, em parceria com a editora Caule de Papiro, o livro e e-book contam ainda com patrocínio da Lei Aldir Blanc, através da Prefeitura do Natal e Governo Federal.

Foto por João Oliveira

Previous ArticleNext Article
Alana Cascudo
Publicitária formada pela UFRN e pós-graduada em MBA Gestão da Comunicação em Mídias Sociais pela ESPM. Cinéfila, notívaga, apaixonada por viagens, gastronomia e assuntos relacionados. Sofrendo constantemente de insatisfação crônica, intolerante à lactose e totalmente desequilibrada.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *