5 dicas de como se manter criativo

Olá, gente boa do 702!

Quero começar o texto de hoje falando sobre o Yuri do passado. Sim, quero falar um pouco da minha infância e de um passado não tão distante também e o que eu aprendi nesse tempo.

Eu sempre fui uma criança de mente inquieta. Tinha dificuldades para decorar fórmulas matemáticas e datas de acontecimentos históricos, mas ao contrário do que parece, eu não era um mau aluno. Eu era o típico nerd e meu “problema” é que eu sempre procurava novas formas de aprender, e não apenas decorar, o que era ensinado, seja através de desenhos, de músiquinhas ou de histórias.

Meu caderno da escola parecia um episódio de Adventure Time, ou seja, todo colorido e meio complicado de entender.

Personagens de Adventure Time.

Essas técnicas, se assim posso dizer, que desenvolvi quando criança, ajudaram e ajudam ao Yuri do presente a se manter criativo e em constante aprendizado, sempre atento a tudo ao seu entorno. Então hoje quero compartilhar 5 dicas que aprendi com o antigo Yuri de como se manter mais criativo e em constante aprendizado sempre.

#1 Fusão de ideias

Quem é fã do anime chamado Dragon Ball entende visualmente o conceito de fusão que quero passar aqui. Na animação existem momentos em que dois heróis diferentes fazem uma dancinha estranha, ou usam um brinco mágico, e “vualá”, eis que surge um terceiro herói totalmente novo.

Gotenks: fusão entre Goten e Trunks.

Sempre gostei de criar novas palavras, misturar músicas e fazer crossover improváveis nos meus desenhos quando criança. O empreendedor Murilo Gun chama esse processo criativo de combinatividade, que nada mais é que combinar duas coisas para criar uma terceira coisa totalmente diferente.

#2 Anote

Sabe aquela última página dos cardenos de escola que eram sempre cheias de anotações, desenhos, frases e adesivos? Pois é, aquilo é um banquete de inputs. Que tal voltar com esse antigo hábito?

Tenha sempre a mão um bloquinho de papel e uma caneta para anotar insights. Anote frases que te chamaram a atenção, novas ideias, uma palavra diferente que ouviu, faça desenhos e mapas mentais de algum projeto novo. Para os que preferem os meios digitais, crie uma pasta na nuvem para salvar fotos e anotações de coisas que viu pela rua, uma paleta de cor que achou interessante, frases de livros, prints do insta e twitters. Enfim, crie uma pasta para fomentar novas ideias naqueles momentos de crise criativa.

#3 Resolva problemas dos outros

Sim, eu presto atenção na vida dos outros. Por favor, não me julguem, mas é por uma boa causa.

Gosto de perceber como as pessoas agem, vivem e como resolvem seus problemas. Ir a uma praia, um parque, uma cafeteria e ficar observando as pessoas é um ótimo exercício para quem quer ter novas ideias. Repare em como elas resolvem seus problemas, as vezes de forma inconsciente, repare nas suas “gambiarras”, e tente criar áreas de oportunidades e como você poderia resolver esses problemas. As pessoas podem te falar muito mesmo sem te dizer uma só palavra.

#4 Ideias ridículas primeiro

Muito provavelmente você já participou de algum brainstorm na vida, ou no trabalho ou na faculdade, e muito provavelmente também você saiu desse exercício com aquele sentimento de “perda de tempo”. Isso acontece, muitas vezes, porque as pessoas não gostam de expor ideias para julgamento e serem ridicularizadas por isso.

Palhaços Patati e Patatá.

Para quebrar esse bloqueio uso uma técnica que chamo de “As Piores Ideais”. No início de qualquer brainstorm convido aos participantes a expor qual a pior ideia para se resolver o problema.  Esse exercício costuma ser sempre bem humorado e gerar ideias bem engraçadas, o que ajuda a nivelar as ideias para baixo, fazendo com que toda ideia que venha depois não pareça tão ridícula.

#5 Conte e ouça histórias

Trabalhei como vendedor de livros em uma grande livraria de Natal por um tempo e tive o prazer de ter clientes maravilhosos. Durante esse tempo em que trabalhava lá desenvolvi muito minha capacidade de contar histórias, pois sempre tinha que resumir o enredo dos livros para vendê-los aos clientes. E da mesma forma, como retorno, recebia inúmeras indicações literárias acompanhada de um breve resumo dos livros.

Yuri do Passado e meu amigo Emerson do Passado na livraria uns anos atrás.

As pessoas perderam o hábito de contar histórias, e consequentemente, o hábito de ouvir também. Só podemos desenvolver ideias relevantes e desejáveis pelas pessoas se aprendermos a ouvir suas histórias mais sinceras, que é onde habitam suas dores e anseios. Isso é empatia. Sentir a dor com o outro, e assim, criar melhores soluções para o outro.

Exercite um pouco do seu olhar criativo todos os dias e você verá a diferença que isso fará nos seus projetos.

Espero que tenham gostado das dicas e diz aí o que você faz para se manter criativo e em constante aprendizado.

Amplexos arrochados em todos vocês.

Previous Article
Yuri Soares
Designer, empreendedor, ex-livreiro mas ainda amante de bons livros. Inspirando oxigênio e expirando gás carbônico desde 1989.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *