Conheça 8 poemas de poetas brasileiros contemporâneos

Dia 20 de outubro é conhecido como Dia do Poeta. E o Brasil, com uma grande safra de bons poetas, tem muito a festejar.

Para celebrar, confira uma seleção de 8 poemas de 8 poetas contemporâneos de diversas partes do Brasil.

angelica-freitas-1

1. “eu durmo comigo”, de Angélica Freitas

“eu durmo comigo/ deitada de bruços eu durmo comigo/ virada pra direita eu durmo comigo/ eu durmo comigo abraçada comigo/ não há noite tão longa em que não durma comigo/ como um trovador agarrado ao alaúde eu durmo comigo/ eu durmo comigo debaixo da noite estrelada/ eu durmo comigo enquanto os outros fazem aniversário/ eu durmo comigo às vezes de óculos/ e mesmo no escuro sei que estou dormindo comigo/ e quem quiser dormir comigo vai ter que dormir ao lado”

beber1

2. “Romance em 12 linhas”, de Bruna Beber

“quanto tempo falta pra gente se ver hoje
quanto tempo falta pra gente se ver logo
quanto tempo falta pra gente se ver todo dia
quanto tempo falta pra gente se ver pra sempre
quanto tempo falta pra gente se ver dia sim dia não
quanto tempo falta pra gente se ver às vezes
quanto tempo falta pra gente se ver cada vez menos
quanto tempo falta pra gente não querer se ver
quanto tempo falta pra gente não querer se ver nunca mais
quanto tempo falta pra gente se ver e fingir que não se viu
quanto tempo falta pra gente se ver e não se reconhecer
quanto tempo falta pra gente se ver e nem lembrar que um dia se conheceu”
wk7pcdwz

3. ” Eu te amo”, de Dimitri BR

“são três palavras
as mais bonitas
as mais ansiadas
 
a mais singela
a mais antiga
declaração
 
de entrega
de desejo
de amor
 
come
meu
cu”
Resultado de imagem para pedro rocha poeta

4. “Sobre não saber do que se trata um sarau de poesia hoje”, de Pedro Rocha

“topa palavra a massa
quanto mais se alastra
esgarça garganta
o desenho que o poema vasta

banda é bem bom

mas um poema é catapultaquiupariu

o nervo exposto
poema quando o poeta cabula
trabalha dentro dos caras
querendo aquele deslize
que rasga a gaveta de carne
do poeta de frente

o bicho de asa
que o poema vasa
sarra genial
com a força de um toque genital
a veia que vigia o voo
cobra calada espinha dorsal
boceta que pensa
com a cabeça do pau

chato é teatro
música fácil
o poema é volátil”

13445468_10206890986773421_1379964947953739366_n

5. “Um manifesto, nem isso”, de Italo Diblasi

“Hoje é o aniversário da execução
de García Lorca e se alguma coisa
mudou desde então, foi pra pior
 
eu estou na Central do Brasil
esperando que alguém me ligue
com uma notícia boa
 
não tenho vontade de voltar para casa
não tenho vontade de ir trabalhar
 
não tenho vontade de quase nada
e espero me apaixonar nos próximos minutos
 
há qualquer coisa de perverso em tudo isso
 
penso em Antônio Conselheiro
e em seu cadáver profanado
 
a santidade do mundo
é sempre mais perigosa
que qualquer diabo
 
uma vez o eremita me sorriu
em uma carta de tarô e desde então
tenho colecionado abandonos
 
ocorre-me que talvez estejamos
vivendo o apocalipse
ocorre-me que talvez sejamos
todos o anti-cristo
 
tenho profetizado o fim dos tempos
com uma vontade aguda
de que o mundo dê merda
e quando isso acontece
é quando estou mais feliz, eu me digo,
basta desse teatro – vamos ver
até onde eles estão dispostos
a levar isso aqui
 
e eles estão dispostos a levar
a coisa bem longe
desde que não tenham que fazer
acontecer com as próprias mãos
 
quando eu era pequeno a minha avó
matou um porco com as próprias mãos
a mesma avó que me limpava o rabo
e que agora não existe mais
 
admiro o silêncio forçado dos santos
o perigo mortal de um pulmão que respira
 
e agora essas crises de riso
que me acometem como o chorar
mas eu sou mais forte que isso
eu lhes digo
eu estou estudando a tristeza
eu sempre fui bom de estudar
eu sempre fui bom em ser triste
 
há dias em que sinto certo nojo
de ser homem
gostaria que todos menstruassem
para variar
 
às vezes recordo as pessoas
que amei e me pergunto se elas
estão mais felizes que isso
 
preciso logo colocar uma filha no mundo.”
07ff40df9249b75cb8dfbde8d75fdeda

6. “Antiguidade d’onde viemos”, de Ana Elisa Ribeiro

“Péricles disse
que a maior virtude
de uma mulher
era ficar calada.
 
Péricles se fodeuu.
 
Péricles, hoje,
levaria uma surra
dada por mil mulheres
como eu.”
ana-martins-marques-foto-rodrigo-valente3

7. “Belo Horizonte”, de Ana Martins Marques

“[1]
 
Um dia vou aprender a partir
vou partir
como quem fica
 
[2]
 
Um dia vou aprender a ficar
vou ficar
como quem parte”
Resultado de imagem para laura liuzzi

8. “Coração sobre cama”, de Laura Liuzzi

“Se de repente acordo
é madrugada
surpreende o coração
descansa sobre os lençóis
exausto
não tenho sede nem sono
e nem mais coração.
Se acordei e é madrugada
era pra ver você
que não está nesta cama.
 
Enquanto canto bem baixinho
os batimentos desaceleram
lentamente, quase imperceptível
até a voz sumir entre os lençóis.
 
Esperaremos a manhã
o coração e eu
e os jornais o carteiro as babás
colocarão as coisas no lugar:
o coração no peito
você à distância
os lençóis na lavanderia.”

 

 

Previous ArticleNext Article
Regina Azevedo
Estudante de Multimídia e formada no curso FIC de Roteiro pelo IFRN. Poeta, autora e entusiasta de livros e fanzines, como "Por isso eu amo em azul intenso" e "Carcaça". Apaixonada por Comunicação, Design e História da Arte.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *