Moda “No gender”: Conheça os entusiastas de Natal

Nos idos de 1920 já sopravam os primeiros ventos do movimento “Sem Gênero” na moda. Coco Chanel buscou no guarda-roupa masculino as principais referências para criar as primeiras peças que se consagrariam nos guarda-roupas femininos. O conforto, a praticidade e a facilidade que os homens possuíam para se vestir é o principal foco do olhar de Coco. E essa rebeldia e vanguarda na criação ressoa na libertação das mulheres de seus espartilhos, vestimenta tradicional na época e representante da ausência de liberdade feminina do período.

No decorrer das décadas os ventos do movimento “Sem Gênero” continuaram soprando e ganhando força. Um dos grandes responsáveis pelo surgimento do termo genderless e gender bender na moda – fim da barreira entre a roupa masculina e feminina – foi o David Bowie, há mais de quarenta anos, nos anos 70.

Na
mesma época outros nomes como Boy George e Freddie Mercury também
eram citados por quebrar as regras de gênero e se apropriarem da
moda feminina para construção de identidade visual e estilo. Em
terras tupiniquins uma das proeminências foi Ney Matogrosso, que
choca ao aparecer nos festivais de música brasileira com longas
saias, adornado em maquiagem e entoando “menina eu sou é homi”.

É inegável o papel dessas personalidades não apenas como grandes representantes da moda “Sem Gênero” e a popularização do estilo. Mas, como precursores fundamenteis de grandes questionamentos sobre construção de identidade, sexualidade, gênero e a relação indissociável da moda com a política, como veículo e estandarte de luta, resistência e força motriz de mudanças na sociedade.

Apesar do estilo “Sem Gênero” ser assunto constante de veículos especializados em moda e ter sido desfilado por grifes renomadas mundo afora o assunto ainda gera muita discussão e estimulam polêmicas e debates acalorados, sobretudo em esferas mais conservadoras. Afinal, por detrás do movimento, a proposta é lutar contra as discriminações e minimizar preconceitos. 

Infelizmente
o machismo institucionalizado e arraigado na sociedade faz com que os
homens adeptos do movimento recebam críticas mais enfurecidas a
cerca do estilo. Inclusive dentro de comunidades que sempre foram
mais receptiva a ideias transgressivas e que desafiavam os limiares
da autoexpressão.

Segundo
Felliphe Matheus, entusiasta do estilo na cidade, a comunidade LGBTQ+
sempre fomentou um preconceito com meninos afeminados e que flertam
com a moda “Sem Gênero”. “Eu sou julgado por ser afeminado,
que usa roupas femininas e que ainda usa maquiagem, eu já passei por
muitos momentos constrangedores no próprio meio LGBT”, contou
Felliphe Matheus.

Em
tempos obscurecidos pelo conservadorismo a moda “Sem Gênero”
ganha novos traços, onde a vanguarda e transgressão se tornam
fundamentais para extinção de velhos estigmas e preconceitos.
Devendo assim ser valorizada e vista como o sopro de cor na escuridão
que insiste em criar abismos entre homens e mulheres.

Para enaltecer os entusiastas da moda “Sem Gênero” de Natal o Aparatamento 702 reuniu alguns dos nomes mais proeminentes do estilo na cidade, que utilizam a moda como forma de bandeira, arte, resistência e luta.

Acompanhe e inspire-se:

Felliphe Matheus

Raphael Dumaresq

View this post on Instagram

Passarinho, que som é esse? Foto: @ianrassari

A post shared by Raphael Dumaresq (@raphaeldumaresq) on

Benjamim Almeida

Pedro Monteiro

Rosenilson G. Junior

Previous ArticleNext Article
Henrique Avelino
Jornalista, escreve sobre moda e comportamento; é aficionado por arte e cinema e acredita no poder transformador dos livros, do plástico bolha e de uma boa xícara de café.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *