Você sabe por que o sanduíche MC Donalds não estraga? Bem, aqui vai uma explicação

Mcdonalds_Bigmac-1600X1200

Todo mundo já deve ter visto aquele velho e ~delicioso~ hambúrguer do Mc Donalds que, se deixado meses (e até anos) fora da geladeira, simplesmente não estraga.

Tem um caso de um homem que mantém o quitute desde 1999 ao ar livre. E ele ainda não estragou. 

O fato ajudou a levar a especulações sobre o que é usado para fazer e manter esses sanduíches. E isso se juntou às inúmeras denúncias que saem sobre a rede de sanduíches mais famosas do mundo e que tem como destaque o documentário Super Size Me.

Para quem não assistiu, o filme acompanha a vida – e a degradação da saúde – de um homem que passou a se alimentar três vezes por dia no restaurante.

Pois bem, hoje o Business Insider publicou uma explicação do MC Donalds do Canadá sobre porque o alimento não estraga.

Segundo ela, para algo estragar é preciso que tenha um ambiente propício para a criação de microrganismos. Parte desse elemento é a água. Sem água, não haveria como os bichinhos se desenvolverem e estragar a comida.

Durante o processo de fritura do sanduíche, muita água é perdida, tanto do pão, quanto do hambúrguer. Ao ser colocada fora da geladeira, em um ambiente com uma umidade média de 40%, ele acaba ficando completamente seco. E esse, segundo a empresa, é o motivo do alimento não estragar.

Para ele seguir o curso natural e estragar, o sanduíche deve ficar envolto em algum plástico para conservar a umidade, ou ser colocado em lugares com alta umidade do ar (seria bom fazer um teste desses em Natal, que tem umidade do ar média de 90%).

Outro ponto da nota é que esse fenômeno de não estragar ocorre em todos os sanduíches, independente de serem do Mc Donalds, ou se foram feitos na sua casa – e convida as pessoas a fazerem o teste com hambúrgures feitos em casa. Será?

Para ver a nota completa, veja aqui (em inglês)

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista formado pela UFRN. Fez o Curso Estado de Jornalismo Econômico do Estadão/FGV e o Rumos Jornalismo Cultural do Banco Itaú. News addicted. Apaixonado também por internet, cultura, política, mídias sociais, publicidade e pelo Palmeiras. Odeia azeitona.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *