Um pouco sobre o polêmico filme “A Entrevista”

Você certamente ouviu falar do filme “A Entrevista” ultimamente. Afinal, para além da sua qualidade (ou falta dela) artística, ele está envolvido no episódio de ciberterrorismo com mais repercussão dos últimos anos.

O roteiro do filme é meio pastelão, mas traz um detalhe geopolítico importante: envolve uma dos líderes políticos mais controversos do mundo. O ditador da Coréia do Norte, Kim Yong Un.

Na história, dois jornalistas norte-americanos são “escalados” pela CIA para tentar matar o ditador, durante uma entrevista com ele. Nesse meio tempo, eles se envolvem em altas confusões. (sim, é um filme bem Sessão da Tarde).

Ele seria só mais um blockbuster, não fosse o fato de que ele provocou contra ataque norte-coreano.

Uma célula digital do exército norte-coreano teria invadido os computadores da Sony, vazado segredos da empresa – como emails e senhas – além de filmes para a internet.

E ameaçaram fazer ainda mais confusão, tanto com a produtora, quanto com os cinemas que decidissem exibir a obra.

O estrago foi tão grande que a Sony desistiu de lançar o filme, previsto para esse mês. O fato gerou reação: desde milionários querendo comprar os direitos da obra e jogá-la na internet, até um apelo do presidente Barack Obama para que o filme fosse lançado.

Depois de uma negociação com o Google, a Sony decidiu fazer o lançamento online na Google Play e em outras plataformas de streaming pelo preço de US$ 5,99 nos Estados Unidos. Acontece que essa forma de lançamento veio com uma estranha vulnerabilidade, que permitiu que o filme fosse pirateado.

Horas após o lançamento em streaming, já estavam disponíveis uma série de torrents para baixar o filme.

Fica o trailer para conferida de todos:

https://www.youtube.com/watch?v=QeFtkFpfP-Q

Previous ArticleNext Article
Jornalista formado pela UFRN. Fez o Curso Estado de Jornalismo Econômico do Estadão/FGV e o Rumos Jornalismo Cultural do Banco Itaú. News addicted. Apaixonado também por internet, cultura, política, mídias sociais, publicidade e pelo Palmeiras. Odeia azeitona.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *