Festival colaborativo vai reunir 10 bandas potiguares na Ribeira

festival da produção

Uma linda festa com espírito colaborativo para valorizar grandes nomes da música autoral potiguar. É isso que promete a primeira edição do Festival da Produção, que acontece no dia 5 de março, no Galpão 29, na rua Chile, Ribeira.

Mc Priguissa, DuSouto, Cabocla ́s Mc, Família Pádua, Skarimbó, Samba do Zé, Esquizophanque, Koogu, Plutã Já Foi Planeta e Luisa e os Alquimistas. Estas são as 10 bandas escaladas para comandar nada menos que 12 horas de festa! E não pára por aí, mais seis Djs completam a programação. Para dar conta de tantas atrações, uma estrutura foi preparada com dois palcos, dois bares e espaço open air na Rua Chile.

Os ingressos são limitados para garantir conforto e espaço para todos dançarem muito. Por isso é bom garantir a sua entrada o quanto antes. Os ingressos antecipados podem ser comprados na Chilli Beans Midway Mall e Praia Shopping. A venda online está sendo feita clicando aqui.

O valor do 1º lote de ingressos custa R$20 (individual) e R$30 (casadinha). O 2º lote vai ser R$25 (individual) e R$40 (casadinha). Na hora a entrada custará: R$30.

O evento é uma realização da HD Produções Artísticas e da produtora cultural Luci Braga, feito de maneira totalmente colaborativa, sem recursos do poder público. Dentre os parceiros, estão: Galpão 29, Apartamento 702, Indica natal, Larinha Filmes e Making Off, CASU Filmes, Filipe Marcus, RadaR, Joanisa Prates, Box Comunicativo, Ateliê Bar e Petiscaria, Massa Finna, KIPÃO Seridó, DoSol, REMUIN – Rede de Música Independente do Natal, Spaço Mix, El Surfista – Hostel e Pousada, Sal e Brasa Natal, Wayne’s Burger Star, Silk Camisetas, Diego Rodrigues TattooStudio, Zeca Santos, Karina Moritzen, e principalmente todas as bandas e djs da noite.

Previous ArticleNext Article
Ramon Ribeiro
Jornalista formado pela UFRN. Curte literatura, música, artes visuais, cerveja, praia, bate papo e churrasco de porquinho. De internet não gosta muito não. Publicou os zines "Com Carinho" (2012), "Não dê esperança aos urubus" (2014) e "Todos aqueles sambas mais velhos que eu" (2015).

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *