Exposição que dialoga sobre tecnologia/cultura é inaugurada na Pinacoteca Potiguar

A exposição assinada por Necroellzee – com cerca de 35 obras é divida em Preâmbulo e 8 módolos, e se apresenta através de composições mixed-media e indicadas pelo alfabeto grego-romano, nomeado por neologismos que retratam com a história e a memória do artista uma enciclopédia de seus conhecimentos acumulados – Necropedia volume uno – constrói a sua coleção de mitologias própria e coletadas que transfigura em equações e diagramas, numa tentativa de criar outros parâmetros para informação.

Descende do gótico futurista, um tratado escrito pelo multiartista Ramellzee (no qual necro segue a dinastia), que tráz a ideia do panzerismo iconoclasta – a quebra da imagem de ídolos, e uma guerra de informação através das letras que quando cifradas codifica um entendimento secreto/sagrado, fazendo da comunicação um objeto de luta contra poder/dominação da hegemonia nos sistemas de comunicação.

Necro ell zee constroe pergaminhos de sabedoria coletadas através dos anos, fazendo uso de catálogos de museus, revistas de arte, livros de receitas de sua mãe, desenhos antigos de Daniel das mais variadas épocas, guias ilustrados, manuais de crochê, e Cria códices singulares e compostos, mas todas carregam uma série de ideias por trás.

Dialoga com o acesso à tecnologia/cultura e com as mudanças que ela é capaz de gerar na nossas vidas e relações, e é a partir disso que acontece uma reviravolta na mostra, quebra-se a corrente do conhecimento para então nos aprofundarmos no sensorial do imaginário que fixou esses saberes e transformou em sentido através da infância; fé, religião, questões sociais e processos didáticos como ciências, metafísica, psicologia. Aqui rompem ao processar esses saberes , e neles depositar sua reflexão da informação concebida.

Nos é apresentada a ascensão e a decadência do ser (de A a Z) em uma catarse imagética que que propõe a vida e a morte como um objeto único, a construção e a decomposição, o carbono que se transforma e como rastro nos leva do micro ao macro (vice-versa), um espécie de tratado hermético, ou uma tentativa analógica de desvendar a natureza.

Dora Bielschowsky

​SERVIÇO:
Expo Necropedia
Abertura 04/04 as 18h ao dia 16/04
Acesso Gratuito
Local: Pinacoteca Potiguar​

Previous ArticleNext Article
Alana Cascudo
Publicitária formada pela UFRN. Estudante de pós-graduação em MBA Gestão da Comunicação em Mídias Sociais na ESPM. Cinéfila, notívaga, apaixonada por viagens, gastronomia e assuntos relacionados. Sofrendo constantemente de insatisfação crônica, intolerante à lactose e totalmente desequilibrada.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *