Confira a programação completa de filmes do Goiamum Audiovisual

O Goiamum Audiovisual é um dos principais festivais de cinema de Natal. Ele ocorre entre os dias 6 e 9 de junho no Solar Bela Vista, com entrada gratuita e ações de inclusão social.

A programação de filmes é composta por mostras permanentes, mostras competitivas, além de uma mostra específica de animação.

Participam tanto realizadores de Natal, como cineastas de todo o Brasil.

Confira a programação completa dos filmes abaixo.

MOSTRAS PERMANENTES ACESSÍVEIS

SALA ACESSO | 7 a 10 de junho I todo o dia, consultar horário da programação na sala

MOSTRA CINE NATAL ACESSÍVEL

Mar de Zila
Ariane Mondo | FIC | 28’ | RN | 2017

Um homem, longe de sua terra natal há muitos anos, faz uma viagem de retorno e percebe Que o caminho de volta mexe com tormentas pessoais. Os caminhos na poesia da cidade percorrem suas emoções. Classificação indicativa: 16 anos
Recursos acessíveis disponíveis: Audiodescrição e Libras

Trailer:

No fim de Tudo
Victor Ciriaco | FIC | 15” | RN | 2017

Durante toda sua vida, Josy lutou pela aceitação de sua mãe, a única pessoa que o importava. A doença, as longas tardes e os delírios trazem à tona um estreitamento de laços que tardou a acontecer.
Classificação indicativa: 10 anos
Recursos acessíveis disponíveis: Libras, audiodescrição e legenda descritiva.

Trailer

Leningrado, Linha 41
Dênia Cruz | DOC | 20” | RN | 2017

Na madrugada da sexta-feira santa de 2004 inicia-se uma ocupação. Cerca de 120 famílias armam seus barracos e começam a luta pelo direito à moradia. Surge o assentamento Leningrado em Natal, uma alusão a cidade soviética sitiada na segunda guerra mundial em 1941. Ambos lugares de resistência e dignidade. Após anos de existência, Leningrado ainda não tem serviços básicos como escola, saúde, segurança e lazer. Sua única ligação com a cidade é o ônibus de linha 41, que precisa ser ampliada. Leningrado, linha 41 uma história de luta por direitos humanos.

Classificação indicativa: Livre
Recursos acessíveis disponíveis: Audiodescrição e legendagem descritiva

CINE ÀS ESCURAS | MOSTRA ERÓTICA COM ACESSIBILIDADE

Auditório do Solar Bela Vista | 07 de Junho | 18h às 19h30

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 18 anos

Popoxexeca
Ioanna Pappou e Ruth Steyer | 3’21’’ | SP | 2015
Paisagem corporal e voyerimos desde o obscuro do desejo.

Um outro ensaio
Natara Ney | 16’14’ | RJ | 2010

A escuridão não parece tão solitária quando se tem companhia. Ela e Ele são um casal apaixonado. Ela ficou cega em um acidente e tenta entender o mundo na escuridão. Ele faz de tudo para cuidar da mulher que ama.

Baunilha
Leo Tabosa | 18’33” | PE | 2017

Olhe a sua volta. Tudo que você vê e toca pode ter o gosto de baunilha. Eu queria ser arrebatada, amordaçada e nas minhas costas tatuadas

Andy Malafaia
16’28’’ | RJ | 2015

Silvana é uma prostituta acuada, fragilizada e oprimida. Suas raízes apelam por sua volta, mas ela imagina o quanto é difícil retornar ao passado.

Cítrica
Marjory Kumabe | 3’36” | SP | 2016

Na linha tênue entre a lembrança, a realidade e a fantasia, Cítrica é o devaneio de uma jovem em uma experiência de autoconhecimento.

MOSTRA DIA INTERNACIONAL DE ANIMAÇÃO

Auditório do Solar Bela Vista | 07 de Junho | 09h às 11h30
Contém: audiodescrição e LIBRAS.
Classificação Indicativa: 12 anos

O Átomo Brincalhão
Roberto Miller | Desenho sobre película | 03’47” | SP | 1961
Um átomo é lançado ao espaço. Em órbita descobre que é uma figura alegre e brinca até desintegrar-se. Roberto Miller desenhou durante 3 anos diretamente sobre os fotogramas, utilizando 10 vidros de tinta plástica especial, 50 vidros de tinta nanquim colorida e 500 metros de película virgem.

ED
Gabriel Garcia | 3D | 13’56” | RS | 2013
Conheça a extraordinária vida de Ed. Cinquenta anos de uma trajetória inesquecível. Muitos amores, aventuras e histórias marcantes. O que ninguém imagina é o porquê Ed quer acabar com tudo isso.

Bruna Berford | Stop Motion | 02’20” | Rio de Janeiro/RJ | 2013

Animação não é só mover as coisas de lugar. É muito mais que isso. São noites em claro, frustrações, vontade de desistir, estudos, tentativas e erros. Horas e horas de trabalho para atingir “O momento mágico”. Occupation: Animator é um curta metragem que explica um pouco desse incrível e trabalhoso mundo de quem faz a magia acontecer. Seja bem vindo ao clube, animador!

Castillo y el Armado
Pedro Harres | 2D Digital | 13’41” | RS | 2014
Numa noite de ventania, Castillo encontra sua própria brutalidade na linha do anzol.

Los Rosales
Daniel Ferreira | Stop Motion | 09’32” | MG | 2014
Um robô solitário está preso em uma vida repetitiva, girando engrenagens para produzir seu único meio de sobrevivência – até encontrar outro meio para alimentar seu coração.

Faroeste: Um Autêntico Western
Wesley Rodrigues | 2D Digital | 18’25” | GO | 2013
Maverick é um urubu que logo ao nascer vê sua família ser vitimada pela violência. Habituado a ela desde o princípio de sua vida, na idade adulta torna-se líder de uma gangue criminosa, espalhando terror por onde passa.

 

MOSTRA ESPECIAL

Filmes temáticos sobre acessibilidade, porém, sem recursos acessíveis

Anderson
Rodrigo Meireles | DOC | 20’ | MG | 2017
Anderson topou fazer um curta metragem, mas não queria que fosse um drama.

 

MOSTRAS OFICIAIS

PROGRAMA ESTADUAL – Programa 1 – Aos dias de luta
Local: Tela Jardim do Solar | 08 de Junho | 21h30


Leningrado, linha 41
Dênia Cruz | DOC | 20” | Natal/RN | 2017

Na madrugada da sexta-feira santa de 2004 inicia-se uma ocupação. Cerca de 120 famílias armam seus barracos e começam a luta pelo direito à moradia. Surge o assentamento Leningrado em Natal, uma alusão a cidade soviética sitiada na segunda guerra mundial em 1941. Ambos lugares de resistência e dignidade. Após anos de existência, Leningrado ainda não tem serviços básicos como escola, saúde, segurança e lazer. Sua única ligação com a cidade é o ônibus de linha 41, que precisa ser ampliada. Leningrado, linha 41 uma história de luta por direitos humanos.

Vida Vaza
Carito Cavalcanti | DOC | 11’14’ | Natal/RN | 2016

Documentário experimental sobre as angústias e inquietudes da vida – o existencialismo, a condição da mulher, as possibilidades da arte como instrumento de rebeldia. O filme reúne artistas da cidade de Natal que refletem as dores da sociedade contemporânea, e tem a participação especial da historiadora Leilane Assunção. E por entre as dores a vida vaza: vaza indo embora e paradoxalmente vaza pingos de esperança e resistência, em um caleidoscópio de emoções. Esperança e niilismo se confundem nas metáforas de VIDA VAZA. Um manifesto poético-musical-imagético, a favor da diversidade e contra a intolerância, em busca da delicadeza perdida.


#OcupaAugusto
Anelly Gomes, Carmem Silva e Gustavo Pereira | DOC | 5’ | Natal/RN | 2016

Documentário sobre a ocupação na Escola Augusto Severo, os ocupantes lutavam pela manutenção correta e volta do funcionamento da escola, a PEC 241 e reforma do ensino médio também eram pautas para essa ocupação.


Aos dias de luta!
Rita Machado e Babi Freire | Experimental | 1’ | Natal/RN | 2018

“Aos dias de luta” é um filme que faz refletir a realidade da mulher em torno da romantização e representatividade do dia internacional das mulheres (oito de março). A luta das mulheres pela vida é diária e não são flores!


Som do Morro
Diana Coelho e Helio Ronyvon | DOC | 12’ | Natal/RN | 2016

Em Mãe Luiza, periferia da cidade do Natal, os sons do cotidiano se misturam às batidas do funk, nos levando a imergir em um universo de sonhos, reconhecimento e preconceito vivenciados pela juventude local. Som do morro acompanha a preparação de um baile na comunidade e nos apresenta Kevinho e Gil Bala, dois amigos que tiveram suas vidas cruzadas ao compartilharem o sonho de serem MCs, além de nos mostrar o funk como ferramenta de expressão desses jovens.

PROGRAMA ESTADUAL – Programa 2

 – O território potiguar

Local: Tela Jardim do Solar | 09 de Junho | 18h30

Em torno do sol
Julio Castro e Vlamir Cruz | FIC | 12’ | Natal/RN | 2017

O Sol está com suas atividades mais intensas. O aumento das interferências solares dificulta a geração de energia elétrica no planeta. Os equipamentos eletrônicos se tornaram itens obsoletos na Terra. Convivendo com as escolhas tortuosas dos seus antepassados, Mister X busca possibilidades.


O espelho
Dynho Silva | FIC | 3’44” | Lagoa Nova/RN | 2017

Um portal para o mundo dos mortos se abre às 3 da manhã, você não está sozinho.


Memória roubada
Marcelo Buainain | DOC | 10’35” | Natal/RN | 2017

Selma Bezerra narra sua trajetória de artista plástica, desde as lembranças de infância no sertão do RN, passando por viagens internacionais até os dias de hoje no seu ateliê em Natal. O diretor, Marcelo Buainain se inspirou nos tons dos pigmentos das obras e construiu imagens como expressão artística, contribuindo também para entender os caminhos que a artista utiliza para construir a sua obra.

A casa do doido Alexandre
Geraldo Cavalcanti | FIC | 16’ | Nova Cruz/RN | 2017

Os adultos constroem a imagem preconceituosa de um louco monstruoso chamado Alexandre no imaginário das crianças. Elas se surpreendem ao descobrirem a verdadeira identidade do Doido Alexandre.


Arialdo Pinho: Uma trajetória des-viável
Fred Luna | DOC | 17’22” | Natal/RN | 2017

O carioca Arialdo Pinho projetou residências modernistas em Natal/RN nos anos 1950. Da capital potiguar, segue para Fortaleza/CE onde amplia sua criação para vários segmentos. Competente e curioso, alcançou o reconhecimento e sucesso na profissão, entretanto, sua carreira foi marcada pela destruição de suas obras e polêmicas com seus pares.


Bordô
Wigna Ribeiro | FIC | 9’33” | Mossoró/RN | 2017

Bordô retrata o sofrimento de Kelly, uma travesti jovem e recém chegada em um bordel no interior nordestino. Apadrinhada por Rubi, uma travesti mais velha e cafetina, Kelly acaba causando inveja nas outras prostitutas da casa, o que faz com o caos e a inveja tome conta do ambiente.


Famintos
Marcelo Buainain | DOC | 9’17” | Natal/RN | 2017

O protagonista é o caboverdiano Luís Romano, autor de várias obras, com destaque ao livro FAMINTOS, considerado um dos mais realistas da literatura. Luís Romano viveu e trabalhou no Brasil, falecendo em 2010 na cidade de Natal. O lançamento da versão longa deste filme está previsto para 2022, data comemorativa do ano do centenário de nascimento de Romano.

 

PROGRAMA ESTADUAL – Programa 3 – A minha família

Local: Tela Jardim do Solar | 09 de Junho | 21h20

Nada Foi em Vão
Sihan Felix | DOC | 12’42” | Natal/RN | 2018

Um filme-fábula sobre o maior sentimento que pode unir duas pessoas.

 

No fim de Tudo
Victor Ciriaco | FIC | 15” | Natal/RN | 2017

Durante toda sua vida, Josy lutou pela aceitação de sua mãe, a única pessoa que o importava. A doença, as longas tardes e os delírios trazem à tona um estreitamento de laços que tardou a acontecer.

 

Verde Limão
Henrique Arruda | FIC | 17’45” | Natal/RN | 2018

Prestes a entrar no palco pela última vez uma veterana Drag Queen revisita todas as cicatrizes que formam o seu carnaval.

Três vezes Maria
Márcia Lohss | FIC | 20’ | Natal/RN | 2015

Após a morte da cafetina, dona do cabaré, Onório se vê no desafio de administrar o prostíbulo herdado que vive um momento difícil. Na noite da reinauguração do cabaré, as Marias terão que tirar força da amizade entre elas, para suportar a dor neste lugar onde não há espaço para lágrimas.

 

Sebastiana
Kaiony Venâncio | FIC | 17’55” | Natal/RN | 2017

A dura realidade de famílias pobres do sertão nordestino, é marcada na difícil jornada de Hélio e Sebastiana em busca de uma nova vida longe da seca e do sofrimento, mas eles percebem que às vezes a própria humanidade pode ser mais cruel que a própria escassez da natureza. Diante desse gigantesco desafio, a única coisa que resta para a sobrevivência, é o amor inabalável entre pai e filha.

Catarro

Paulo Dumaresq | DOC | 11’ | Natal/RN | 2018
O curta documental acompanha um dia na vida de Edvaldo Correia, codinome Catarro, morador de rua, andarilho urbano, artista plástico e vendedor de livros informal no centro de Natal.

PROGRAMA NACIONAL

Programa 01 – Levante e lute!

Local: Tela Jardim do Solar | 08 de Junho | 18h30

Torre
Nádia Mangolini | DOC | 17’ | SP | 2017
Quatro irmãos, filhos de Virgílio Gomes da Silva, o primeiro desaparecido político da ditadura militar brasileira, relatam suas infâncias durante o regime.


Arara: um filme sobre um filme sobrevivente
Lipe Canêdo | DOC | 13’ | MG | 2017

Em 2012, Rodrigo Piquet, do Museu do Índio, mostra a Marcelo Zelic, do grupo Tortura Nunca Mais, um filme que encontrara, chamado Arara. O título não se referia ao animal, nem ao povo conhecido por esse nome. Zelic o aponta como importante registro probatório sobre o ensino de tortura durante a ditadura militar. Eram imagens da formatura da Guarda Rural Indígena, em Belo Horizonte, produzidas por Jesco Von Puttkamer em 1970.


ELÃ!
Lucio Branco | DOC | 19’13” | RJ | 2017

Brasil: abril de 1964. Entrincheirados nos palácios Piratini (Porto Alegre) e Guanabara (Rio de Janeiro), o deputado federal Leonel Brizola e o governador Carlos Lacerda exortam as massas a resistir e a aderir, respectivamente, ao golpe militar que acabara de se instalar no país. Sob a urgência do momento, em pronunciamentos radiofônicos improvisados, apelam às armas contra o inimigo. O tom arrebatado de cada um dos discursos assinala conscientemente a ressonância histórica do momento. ELÃ! se apoia na performance retórica passional de dois ícones da vida pública brasileira que encarnavam tendências ideológicas opostas.


Em busca de Lélia
Beatriz Vieirah| DOC | 15’ | BA | 2017

Lélia Gonzalez. Seguindo os passos desse nome, começo a busca pela minha ancestralidade e por retratá-la. Professora e antropóloga, mulher à frente do seu tempo, protagonista na militância junto ao Movimento Negro nos anos 1970/1980, período no qual percorreu diversas cidades e países -, sempre afirmando sua identidade e denunciando o mito da democracia racial. Um símbolo de resistência e da luta pelos direitos de indígenas, negros e mulheres. Os afetos de Lélia me guiam por toda caminhada.


Estamos todos aqui
Chico Santos e Rafael Mellim | FIC | 19’ | SP | 2017

Rosa nunca foi Lucas. Expulsa de casa, ela precisa construir seu próprio barraco. O tempo urge enquanto um projeto de expansão do maior porto da América Latina avança, não só sobre Rosa, mas sobre todos os moradores da Favela da Prainha.

Programa 02 – Quando você se foi eu chorei

Local: Tela Jardim do Solar | 09 de Junho | 20h10


Famintos

Marcelo Buainain | DOC | 9’17” | RN | 2017

O protagonista é o caboverdiano Luís Romano, autor de várias obras, com destaque ao livro FAMINTOS, considerado um dos mais realista da literatura. Luís Romano viveu e trabalhou no Brasil, falecendo em 2010 na cidade de Natal. O lançamento da versão longa deste filme está previsto para 2022, data comemorativa do ano do centenário de nascimento de Romano.

Canção do Asfalto
Pedro Giongo | FIC | 16’ | PR | 2017

Chen é um imigrante chinês que vive como invisível em uma cidade grande qualquer do Brasil. No fundo ele não se encaixa em nenhum lado. À noite, sozinho e quando as ruas estão vazias, o asfalto vira meditação.

A retirada para um coração bruto
Marco Antônio Pereira | DOC | 14’37” | MG | 2017

Ozório é um senhor que vive sozinho onde o Judas perdeu as botas, na zona rural de Cordisburgo-MG. Passa seus dias ouvindo rock no rádio, enquanto vive o luto da sua companheira. Até que um movimento no céu quebra sua solidão.

O casulo e a borboleta
Thiago Furtado | FIC | 24’ | PI | 2017

Após certo tempo longe de casa, a filha de Lúcia (Edithe Rosa) retorna para buscar o restante de seus pertences. Enquanto as duas colocam as roupas em uma mala, mágoas, arrependimentos e dores são escancarados até revelar onde Ana Paula (Kaio Rodrigues) se refugiou para poder sobreviver a rejeição e a transfobia.

 

 

MOSTRA PANORAMA DO AUDIOVISUAL BAIANO

Mostra Panorama Audiovisual Baiano I

Local: Tela Jardim do Solar | Quinta 07 de Junho | 19h30

Mr Abrakadabra
José Araripe Jr. | FIC | 13’ | BA | 1996

Um velho artista já não consegue fazer suas mágicas. Desesperado, tenta o suicídio várias vezes, sem obter êxito. Decidido a morrer a qualquer preço, arquiteta um super suicídio. Porém, algo surpreendente acontece.
Classificação indicativa: Livre


Elogio a Utopia
Caio Araújo | DOC | 70’ | BA | 2017

Permanece igualmente incerto se a civilização mundial será em breve subitamente destruída ou se se cristalizará numa longa duração que não resida em algo permanente, mas que se instale, muito ao contrário, na mudança contínua em que o novo é substituído pelo mais novo. Elogio à Utopia discute ideias de utopia brasileira no século XXI.

Classificação indicativa: 16 anos

 

SÉRIES

A Bicicleta do Vovô
Henrique Dantas | FIC | 22’ | BA | 2017

Com quatro episódios, A Bicicleta do Vovô é uma série para crianças e adultos que aborda a relação entre avô e neto. Em um lugar muito distante, O Reino do Sertão Pelejado, homens-morcegos capturam lendas através de televisores. Surgem, então, o Super Tigre e o Mestre Conselheiro para salvar o nosso planeta das forças malignas da Feiticeira Mabá. É contando essas histórias que vô Rui transforma a infância do neto Cauê em um universo de aventuras e fantasias, re-significando símbolos através de um olhar mais lúdico sobre as coisas da vida.

Classificação indicativa: Livre


Travessias Negras

Antônio Olavo | DOC | 26’ | BA | 2017

Com cinco episódios, Travessia Negra apresenta histórias de vida de estudantes negros que entraram na UFBA pela Política de Cotas, adotada pela instituição desde 2005. Na série, os jovens narram suas próprias histórias, estimulados a compartilhar suas experiências de vida. Daiane Rosário foi convidada inicialmente para trabalhar na produção e montagem da obra, mas logo o diretor enxergou o potencial de sua história. “Eu fiquei receosa pela dificuldade de me distanciar para conseguir editar o meu próprio episódio. Foi um grande desafio”, disse em entrevista à ABI. A cotista chegou à UFBA em 2011 para cursar o Bacharelado Interdisciplinar (BI) de Artes com ênfase em Cinema e Audiovisual. Depois, seguiu para o Jornalismo.

Classificação indicativa: Livre


Saberes Passados
Ducca Rios | DOC | 26’ | BA | 2017

Com quatro episódios, Saberes Passados trata da ancestralidade africana, mostrando personagens importantes da cultura brasileira e baiana que são mestres em seus respectivos ofícios e como eles enxergam a passagem do conhecimento que possuem para quem deseja levar adiante tradições por vezes milenares.

Classificação indicativa: Livre


O Senhor da Jornada
Jorge Alfredo | DOC | 26’ | BA | 2017

Com cinco episódios, O Senhor da Jornada narra a trajetória do idealizador (Guido Araújo) das Jornadas de Cinema da Bahia, numa mistura de depoimentos, materiais de arquivo e cenas de filmes. Guido passeia por suas memórias, cenários de sua infância e de suas andanças pelo Brasil.

Classificação indicativa: Livre


Turma do Xaxado
Cândida Liberato e Claudio Guido ANIMAÇÃO | 1’ | BA | 2015

Com vinte e seis episódios, A Turma do Xaxado surgiu em 1998 e conta as aventuras vividas por Xaxado e quatro amigos, em uma pequena cidade do interior nordestino.

Classificação indicativa: Livre


A Professora de Música
Edson Bastos e Henrique Filho | FIC | 03´ | BA | 2017

Com treze episódios, A Professora de Música narra a chegada do dia do recital da Escola Lá Maior e Aída, a professora de música, com esperança de ver uma transformação artística na cidade de Ipiaú-BA, está apreensiva pelo sucesso do evento e pelo bom desempenho dos seus alunos. Porém, um problema com as caixas de som inicia uma série de dificuldades que podem fazer com que o recital seja cancelado.

Classificação indicativa: Livre


Abaixo a Gravidade
Edgard Navarro | FIC | 70’ | BA | 2017

Ao descobrir que sofre de uma grave doença, um homem entra num sério dilema, pensando se deve se tratar ou espera o desenvolvimento natural da patologia.

Classificação indicativa: 16 Anos

 

Mostra Panorama Audiovisual Baiano III – Mostra DocDoma Filmes

Auditório do Solar Bela Vista | Sábado 09 de Junho | 15h às 17h

Cães
Adler Paz e Moacyr Gramacho | FIC | 11’ | BA | 2011

O curta conta uma passagem pelo sertão de um pai que carrega um filho quase desfalecido nas costas. Durante sua caminhada, flashes do passado vão sendo mostrados, construindo a tragédia que os assolou.

Classificação indicativa: Livre

Trampolim do Forte
João Rodrigo Mattos | FIC | 90’ | BA | 2010

O Trampolim do Forte é o mágico local onde, através dos saltos, Déo e Felizardo buscam a força necessária para enfrentar a sua dura realidade.
Classificação indicativa: 16 anos

 

SESSÃO HIATO

Demônia – Melodrama em 3 Atos
Cainan Baladez e Fernanda Chicolet | FIC | 17’ | SP | 2016

Demônia é um ser endiabrado. Ou uma mulher má.


Long Bueno
Abílio Dias | FIC | 30’ | SP | 2017

Mauro corre e corre, mas Long Bueno parece continuar distante.


Baunilha
Leo Tabosa| DOC | 13’| PE | 2017

Olhe a sua volta. Tudo que você vê e toca pode ter o gosto de Baunilha.

 

Ferroada
Adriana Barbosa e Bruno Mello Castanho | DOC | 25’ | SP | 2016

Ferroada é uma homenagem estética e política ao escritor Tico, uma resposta cinematográfica às palavras escritas, um devaneio fílmico.


Balança Brasil
Carlos Segundo | DOC | 25’ | ES | 2017

Um porto, o descobrimento, dois corpos em movimento.


Balada para os mortos
Lucas Sá | Híbrido | 21’ | MA | 2017

A cidade onde eu vivo é a cidade onde eu morro.

LANÇAMENTOS E PRÉ-ESTREIA

Local: Tela Jardim do Solar

Arredia e Tão Só
Lançamento 06 de Junho | 20h20
Augusto Lula | DOC | 22’ | RN | 2018

Dizem que o mar tem muitos caminhos e todos eles levam para onde se quer ir. O mar da Redinha parece um começo de viagem.


Tropykaos
Pré estréia 08 de Junho | 20h
Daniel Lisboa | FIC | 82’ | BA | 2018

Guima, um jovem poeta, tenta interagir com a cidade, fazer parte dela, mas parece não ter corpo para isso. É o verão mais caloroso dos últimos 50 anos e os raios “ultraviolentos” estão por toda parte. O Sol é a metáfora maior de um sistema violento que adormece e agride a todos. A sociedade, a família, amigos e amores se deformam com o calor. Guima parece despertado, parece o primeiro a sentir os malefícios da exposição a “ultraviolência solar”. Na beira do que pode ser o último dos carnavais, Guima enfrenta a cidade e a si mesmo buscando a iluminação no trópico caótico.

Enquanto o sol se põe
Lançamento 09 de Junho | 20h
Márcia Lohss | FIC | 17’ | RN | 2018

O filme traz o drama de Guilhermina, uma mulher que percebe ter sido esquecida, dentro de uma longa relação de amor. Sua história começa a ser repensada ao chegar em uma benzedeira na busca de sanar seu problema com o marido, Arnaldo. Nessas idas e vindas, ela encontra outro caminho que nunca havia sonhado.

Participação da cantora Simona Talma na ocasião do lançamento.

Sessão Especial Boi de Prata

Local: Tenda Jardim do Solar I 10 de junho I 18h30

Carlos Augusto Ribeiro Jr. | 90’ | RN | 1978 | 18 anos

Em uma cidade do interior do Rio Grande do Norte, o rico fazendeiro Elói Dantas (Álvaro Guimarães) decide aumentar ainda mais seu patrimônio, explorando minérios. Para isso, tenta se apropriar do pequeno sítio de Antônio Vaqueiro (José Marinho). Desesperado, Antônio corre em auxílio da curandeira cigana Maria dos Remédios (Luiza Maranhão) e do fazedor de poemas e sonhador Tião Poeta (Lenício Queiroga) para enfrentar a ganância de Elói.

FILMES CONVIDADOS

Local: Auditório do Solar Bela Vista, 09 de junho, 17h às 18h30

Mar de Zila
Ariane Mondo | FIC | 28’ | RN | 2017

Um homem, longe de sua terra natal há muitos anos, faz uma viagem de retorno e percebe que o caminho de volta mexe com tormentas pessoais. Os caminhos na poesia da cidade percorrem suas emoções.

Vivi
Catarina Doolan e Júlio Castro | FIC | 14’ | 2016

Em meio a tentativas frustradas de tirar a própria vida, Vivi encontra um motivo para continuar vivendo.

Stanley
Paulo Roberto | FIC | PB | 2016

Quando eu tinha sete, oito anos… vi meu pai conversando com um amigo. Não entendia muito bem o que eles estavam falando… o que eu mais lembro era dos lábios mexendo. Fiquei com vontade de beijar a boca do amigo do meu pai!

 

Previous ArticleNext Article
Jornalista formado pela UFRN. Fez o Curso Estado de Jornalismo Econômico do Estadão/FGV e o Rumos Jornalismo Cultural do Banco Itaú. News addicted. Apaixonado também por internet, cultura, política, mídias sociais, publicidade e pelo Palmeiras. Odeia azeitona.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *