Artur Soares responde a críticas de racismo e machismo e diz que música foi “para homenagear à mulher negra”

Ontem a polêmica tomou de assalto a cena musical de Natal.

A principal delas, talvez, tenha sido a que envolve o músico mossoroense Artur Soares, acusado de racismo e machismo pela música “Má Nega” cujo clipe foi indicado ao Prêmio Hangar de Música.

O Coletivo Leila Diniz publicou uma nota de repúdio ao artista e ativistas ameaçaram um boicote ao Artur Soares e ao Prêmio Hangar, pela indicação. Eles exigem uma retratação do músico e a retirada imediata do clipe do ar.

Fiz uma pequena entrevista com Artur por email para ouvir o lado do artista sobre a polêmica.

Na conversa, ele descarta qualquer intenção machista ou racista, afirma que a letra é inspirada em um samba Ataulfo Alves e diz que queria homenagear à mulher negra. Ao final, ele pede desculpas a quem se sentiu ofendido.

1 – O que você achou dessa reação negativa de parte do público?

Veja bem, Fábio. Acredito que a reação do público foi positiva. Existem pessoas que estão realmente dispostas a entender o assunto e isso é fundamental. Desde sempre fiz músicas das mais variadas formas, com os mais variados contextos, procurando sempre me expressar de forma natural. Tenho em mim a máxima “não guarde para si o que não lhe pertence” porque acredito que cada um tem seu próprio modo de ver as coisas. São sete bilhões de formas de pensar, em sete bilhões de pessoas no mundo. Se isso fosse me abalar para além da superfície do ser, eu estaria em boas mãos. Meus amigos estão comigo, minha família, a mulher que eu amo me apoia. Não tenho do que me queixar.

2 – Qual foi a sua real intenção com a letra?

Quando entro em processo de criação, procuro esquecer as amarras, ficar nu de meu dia-a-dia. Houveram várias intenções durante a construção da letra, todas ligadas à mulher negra e à cultura umbanda, tendo em sua batida percussiva elementos da música cantada em reverência à Oxum, o orixá das águas doces. A intenção da música era obviamente homenagear uma mulher negra. Acredito que as pessoas devem procurar enxergar as coisas com mais sensibilidade.

3 – E essa referência a senzala, pode nos explicar como foi a ideia?

Nesse trecho que diz:

“Nêga, você vai gostar
Nêga, eu vou te prender
Na senzala iorubá
E o que eu ensinar
Você vai ter que aprender
Porque eu vou te maltratar
Pretinha…”

Fui influenciado por nosso mestre do samba, Ataulfo Alves, quando diz na letra de
‘Mulata Assanhada’ os seguintes versos:

“Ai, meu Deus, que bom seria
Se voltasse a escravidão
Eu pegava a escurinha
Prendia no meu coração
E depois a pretoria
É quem resolvia a questão…”

4 – Parte dos movimentos sociais prega boicote a você e exige que você tire a música do ar, como você reage a isso?

Não reajo, Fábio, pelo simples motivo de que acho isso tudo um grande mal entendido. Eu não tô nessa. Peço desculpas a quem se  sentiu ofendido, não houve nenhuma intenção pejorativa, machista, racista, de minha parte. Grande abraço!

Para ilustrar o post, Artur anexou a música “Cartas Brasilis”, de autoria dele e lançada há duas semanas,

Previous ArticleNext Article
Jornalista formado pela UFRN. Fez o Curso Estado de Jornalismo Econômico do Estadão/FGV e o Rumos Jornalismo Cultural do Banco Itaú. News addicted. Apaixonado também por internet, cultura, política, mídias sociais, publicidade e pelo Palmeiras. Odeia azeitona.

Comentários

60 Comments

  1. apouco tempo que conheço arthur soares concerteza ele nao é um achista e muito menos racista, essa linguagem nordestina nega pretinha neguinha, há séculos existe e é uma forma carinhosa de chamarmos, em uma musica do cd do arthur o cd bodogue ele descreve q uma criança pra quem ele fez a musica chama ele de pretinho, entao gente é isso aí arthur é um grande artista e um grande ser humano.

  2. Nojento. Agora quem decide se é racista ou não é quem emite o comentário? Se for assim, ninguém vai ser racista, nem machista, nem nada. Vão estar apenas "emitindo sua opinião" como os ignorantes adoram falar, que é liberdade de expressão. Liberdade de expressão é falar o que quiser, sim, e não ofender a quem quiser. Isso é discurso de ódio. Não tô nem aí se em mil novecentos e guaraná com rolha alguém escreveu verso parecido. Isso é preconceito.
    Nojo, repúdio por esse cara que ainda por cima ri quando se aponta o racismo na música.
    Pior ainda vocês postarem uma matéria tendenciosa dessas, passando pano pra racista. Deixando tudo acontecer. Perguntem a uma negra se isso é racismo ou não, não ao ignorante que escreveu a música.

    1. Representante legítima da ditadura do politicamente correto e da vitimização exacerbada, procurando vestígios de racismo onde não há para despejar tudo num discurso infundado e incoerente de ódio barato. Acho que muitas pessoas guardam tanto negativismo no coração que não perdem uma chance de externá-lo como forma de evitar o próprio sufocamento. O conjunto audiovisual da obra do artista não apresenta caracteres de racismo. Avaliada de maneira racional e sem conceitos e paixões estabelecidos de maneira prévia, enxerga-se apenas uma singela homenagem a mulher negra. Infelizmente, vê-se o que se quer ver.

  3. Artur Soares tem se destacado no cenário musical pela qualidade das músicas e composições, pelo seu jeito solto e mistura de vários estilos. A música é alegre, envolvente e fala de amor, está claro. Também há a liberdade poética de quem compôs, que pode usar metáforas sim. Todas as mulheres que ilustram o video clip muitas delas integrantes dos movimentos negro em Mossoró, artísticos, sociais e culturais da cidade não se sentiram nenhum pouco ofendidas. Então, Artur, bola para frente e que venham muitos outros prêmios, pois você os merece.

  4. Dizer que se inspirou em Ataulfo Alves, que as pessoas precisam de mais sensibilidade e que tudo foi um mal entendido caracterizam uma opinião puramente racista. E não fiquem #xatiadinhos senhores, ser racista é uma """"qualidade""" desta sociedade e alguns comportamentos só reforçam que esse fenômeno estrutural existe e mina todas as nossas relações e expressões. Passar muito bem! p.s.: Não me senti nenhum pingo ""homenageada"" pela musiqueta!

  5. A intenção pode não ter sido maldosa, mas penso que a letra é, no mínimo, inapropriada.

    Ademais, não podemos usar a letra de outros como argumento para justificar o que escrevemos ou fazemos. Se é assim, motivados ou inspirados em um ato criminoso, vamos agir como bandidos também? Inspirados um poema da segunda fase do romantismo vamos cantar a morte? E mais: a letra citada foi criada em outro contexto, quando o movimento negro no Brasil ainda era muito tímido e quando o silêncio era a regra diante de tantas letras de música e falas abusivas e absurdas.

    Para muitas pessoas, pode ser apenas liberdade de expressão, mas penso que podemos direcionar melhor essa liberdade de expressão e talento.

    Como um colega comparou, imaginem se a letra ao invés de fazer menção a uma negra (pretinha), tivesse como direcionamento alguém de descendência judia, ficando assim: “Judiazinha, vou te amarrar na cama, no campo de concentração, te maltratar todinha. Vou te pegar em Auschwitz e botar pra descer” Engraçado? Nem um pouco. De bom gosto? Duvidoso.
    Então, qual o motivo pra aplaudir, apoiar e mesmo aceitar quando fazem isso com os negros?

  6. Não é todo mundo que sabe o que escreve né? Queria muito saber no que ele estava pensando quando escreveu estas palavras:

    "Nêga, você vai gostar
    Nêga, eu vou te prender
    Na senzala iorubá
    E o que eu ensinar
    Você vai ter que aprender
    Porque eu vou te maltratar
    (…)
    E vai e vem, calada"

    (http://www.geledes.org.br/coletivo-leila-diniz-nota-de-repudio-ao-artista-artur-soares-e-ao-premio-hangar-de-musica/#axzz3IEuckuPM)

    REALMENTE curiosa em saber qual foi a sua linha de raciocínio….

  7. Parece que as pessoas esquecem a coisificação que o negro sofreu durante séculos e todo o sofrimento vivido por esse povo. Se ele tivesse apaixonado por uma judia, não diria que ia maltratá-la num campo de concentração. Mas brincar com o ambiente de tortura do povo negro parece que pode… Um racismo/machismo nitidamente arraigado!

  8. Como diria a diva Elisa Lucinda, deixar de ser racista, meu amor, não é comer uma mulata.
    Nem muito menos deseja-la calada, maltratada ou presa onde quer que seja.

  9. As pessoas estão preparadas para repúdiar tudo inclusive a liberdade de expressão na arte. A primeira vez que escutei a música, entendi que não se tratava de algo racista como costumam interprestar, não vejo toda via como uma homenagem. Mas em minha análise pessoal a música apresenta um homem , provavelmente branco,apaixonado por uma mulher negra que ao tentar conquista-la ainda se comporta como um "dominador" e ao mesmo tempo realça os preconceitos que ainda vivem na sociedade. Pra mim, desde de o primeiro momento essa foi a interpretação da música, de qualquer forma entendo que alguém tenha ficado ofendido as diferenças e os preconceitos sofridos diariamente além do passado histórico que já carregamos não é algo fácil para se poetisar e deixar artistico e fácil a uma única compreensão.

  10. Rodrigo Coelho Queiroz eu vejo você postar, "falou a mulher branca", isso também não seria uma forma de distinção? – Vivemos em país miscigenado, ainda bem, não podemos nos afirmar como Brancos, negros, indígenas em uma única forma, claro que há características predominantes. Contudo, todos nós exceto filhos de estrangeiros nascidos no país, temos misturas de raças, e características singulares de várias raças em uma só pessoa. Por isso, que quando os estrangeiros vem pra cá costumam se encantar e/ou ficarem perplexos, pois, o brasileiro é o Branco com cabelo crespo, o Negro com olho azul, o índio de cabelo loiro e essa riqueza, cultura e estética nos enriquece, portanto não se pode dizer que esse problema não atinge uma determinada classe ou pessoa, isso é um problema geral que deve ser discutido com seriedade para a medida e analise mais justa ser tomada.

  11. não se trata de repudiar tudo.liberdade de expressão termina, aonde começa a falta de respeito.E você não ter entendido como racista,não altera o fato de ser racista.se pessoas negras as quais a música faz referencia,se sentiram ofendidas,então é sim,racista.É lamentável ter que lembrar,que não se dá palpite em Opressão,que você não sente/passa e/ou vivencia.

  12. Lalita Lopes Não, Lalita. Eu como branca não sofro, nunca sofri, e nunca sofrerei racismo. Eu não sei o que é isso. Sei o que é ser oprimida como mulher, não como negra, porque não sou negra. Só quem vive o preconceito sabe como é, eu não tenho essa vivência de racismo, porque não sou negra.

  13. Lalita Lopes , não seria, pois o comentário dela não se baseia em se por no lugar de uma mulher negra, não falo da mulher no geral.
    o comentário dela assim como o seu, parte de um principio de que tenta amenizar uma situação que somente a mulher negra passa por gerações, por isso o dito "mulher branca', pois até mesmo sendo todas mulheres, existe uma segregação dentro do gênero.
    ainda existe preconceito sobre as mulheres e ainda mais sobre a mulher negra, o que se difere ainda mais dentro do genero mulheres.
    basta pesquisar sobre o branqueamento e branquitude no brasil, e verá o que digo.

  14. Vi em um cometário e achei interessante. Que tal colocar judia no lugar da pretinha e trocar senzala pelo campo de concentração? Seria uma ótima homenagem as mulheres judias. Música ridícula.

  15. Se precisar, dou aulas de história! E a forma, não muda o conteudo! Há maneiras de se dizer PRETO que não é ofensa, mas a combinação Preto + Senzala + Negra + Maltratar = Racismo e machismo… E uma vontade escrota de servir-se da polêmica!

  16. Lalita Lopes, nosso país miscigenado é o que se mostra em tua televisão? Essa nação etno-democrática é vista nos hospitais, nas faculdades, nos altos cargos? Essa nação é o que você e este musico vivenciam? Porque não é o que eu vejo e vivo! A musica é preconceituosa e machista e eu odeio ver a minha etnia sendo descrita como proveniente de mulheres que devem ser presas em senzalas, obrigadas a servir e objeto de uso (e descarte)

  17. Polêmica não é uma boa forma de exibir talento ou conquistar fãs. Em sua letra, apenas reforçou todos os estereótipos de nossa história e age, de modo imensamente negativo! Há e haverá pessoas que apoiarão esta visão de mundo e esta postura, de pretensa superioridade ao manter-se isolado daqueles que se sentem ofendidos pela letra. Eu, particularmente, o considero uma pessoa pobre de espírito que fugiu das aulas de história.

  18. Se o "artista" está tão consciente de seu valor e de sua liberdade criativa, por qual razão apagou os comentários de sua página e deletou os comentários? Os ativistas, expondo suas opiniões, são desnecessários? Inconvenientes? Eu devo me unir ao coro dos negros e negras silenciadas? Sua arte umbiguista e falocêntrica não admite contrariedade e por isso, como criança birrenta, fecha-se em uma ostra?

  19. Comentei nesse post na página dele, ele não só apagou como me bloqueou para não comentar mais nada, no intuito de calar a minha voz. Como todo racista e machista, se tivesse o mínimo de empatia realmente pela mulher negra não agiria de tal forma, calando a qual se diz ter homenageado.

  20. As pessoas confundem muito as coisas. Ficam utilizando essa maldita expressão "liberdade poética" pra falarem o que bem entenderem, querendo "justificar" machismo, racismo e por aí vai. Liberdade de expressão é uma coisa, de opressão é outra. O tempo que esse pseudo artista perde falando bosta e criando letra machista-racista ele deveria utilizar para ler um livro de história do Brasil ou ao menos assistir uma aula no youtube para entender a carga história e ideológica que essa letra dele carrega. Engraçado que nós, nenhuma mulher negra está achando sua letra "legal", "romântica" ou "engraçada". A escravidão acabou praticamente ontem, e infelizmente ainda tem gente que não entendeu. Fica difícil discutir machismo com quem não aceitou ainda o fim da escravidão. O que esse sujeito escreve não é música, é discurso de ódio e deveras criminoso. A "senzala" que você tanto exalta na letra, é o resumo da crueldade de uma sociedade escravocrata que carrega até os dias de hoje os resquícios. As mulheres negras eram estupradas e silenciadas, tratadas como objetos, mercadorias e a sua letra é a reprodução do discurso do "senhor" que maltratava e violentava cotidianamente essas mulheres. Sinto repulsa e vergonha alheia de gente como você!

  21. E por último: não nos calaremos! As mulheres negras estão na luta cotidiana justamente para combater discursos como o seu, rapaz. Antes de escrever as letras pro próximo cd, utilize o dinheiro do cachê para pagar aulas particulares de história do Brasil, acho que está precisando. Melhor assumir o seu machismo e racismo e se posicionar, do que ficar tentando justificar o "injustificável". Está ficando feio.

  22. se a mulher negra disse que a musica é racista e machista é pq é.
    eu como mulher já achei a musica ofensiva as mulheres como um todo imagina a mulher negra?
    eu como branca opressora peço desculpas em nome da minha etnia pela tentativa de alguns brancos alienados em defender essa musica.
    e sou opressora não por ser racista, pois não sou, mas por ser branca e ter tido privilégios desde o meu nascimento pq meus antepassados oprimiram todos que divergiam da sua etnia.
    aprendam se a pessoa se sentiu ofendida é pq ofendeu, intencional ou não só lhe resta pedir desculpas e evitar fazer algo semelhante no futuro… só quem recebe o ''tapa'' pode falar sobre a dor.

  23. Não pode usar metáforas envolvendo escravidão e senzala merda nenhuma! Quem é tu pra dizer que pode? Branquinha, como eu. Deixa uma negra que leu essa música e se sentiu mal porque sabe na pele o que é racismo dizer o que ele pode fazer com a metáfora dele, não tu.

  24. Acho que o autor foi infeliz com a letra da música. Fazendo com que muita gente se ofendesse. Creio que essa nao foi sua real intenção, pois vendo o clipe percebe-se que Ele quis fazer uma homenagem mesmo, mas como cada um tem sua interpretação , a dele foi de uma forma poética e não racista.

  25. A musica foi lançada a três meses, somente depois de dois meses toda essa repercussão, pq chegou em Natal, com um grupo de desocupados ignorantes que não entendem de arte. Pensem um pouco Senzala é um quarto, negâ e pretinha são a mesma pessoa, uma mulher, eu vou te bater, é na hora do sexo. Tudo isso não passa de uma declaração. Vocês acham que todas as negras do clipe tinham uma bola de ferro presa no pé? NÃO, elas foram convidadas, aceitaram e estavam todas sorrindo.

  26. nao consigo perceber relação dessa musica com a do Ataulfo, principalmente nessas duas frases "Você vai ter que aprender Porque eu vou te maltratar" que fica tão na cara uma determinação machista e racista… não sei, tantas musicas também machistas hoje em dia e a midia cultural insiste em colocar pano

  27. Sou negro, nasci no brasil nos anos 80, quando racismo era a coisa mais naturalizada do mundo e os jogos psicológicos dos brancos faziam com que sentíssemos culpa de ser negros. Estudei no CIC em cidade alta e era comum ouvir os alunos cantando para mim a musiquinha:”nego do suvaco fedorento, rala a bunda no cimento para ganhar 2500″, fui chamado de macaco por alunos e até por uma professora e quando levei o assunto a coordenação a coordenadora que era religiosa, simplesmente minimizada o problema. De outra vez uma menina branca achou que eu tinha mandado um bilhete de declaração para ela e me xingou bastante, me chamou de horrível e macaco e me empurrou em uns cactos, pior que a dor dos espinhos era a dor da culpa de achar que sempre estava fazendo algo errado somente em existir. Eu cresci achando que era uma espécie de subser porque naquela época não havia nenhuma palavra oposta ao racismo, já adolescente fui percebendo que era igual aos outros, mas mesmo assim a gente que é negro sempre acha que tem que provar ser digno. Eu agradeço a vocês que estão lutando contra essa música porque uma criança pode escutar e a criança não tem filtros culturais, ela simplesmente absorve como verdade e essa criança pode criar um sentimento de inferioridade como eu criei. E é difícil se libertar por mais que você racionalize, apesar de achar que todos os homens são iguais meu corpo tem uma reação de inferioridade ao falar com pessoas brancas hoje em dia. Bem, continuem na luta.

  28. Só vejo um bocado de gente besta, é muita falta do que fazer… Meu deus… Não sabem ver nada apenas como é? Tem que existir um duplo sentido? Ou uma mensagem subliminar? Um simbolo da maçonaria no logotipo da globo… Uma musica da Xuxa de trás pra frente falando no demônio… Ôh povinho da imaginação fértil. Vocês estão perdendo tempo atacando Artur, deveriam mesmo é estar escrevendo estorinhas pra boi dormir. Talento pra imaginar/inventar vocês tem que sobra. 😉

  29. Seria lindo tudo o que ele disse se realmente fosse verdade. Respostinha pronta é bem fácil dar. Se alguém se sentiu ofendido, é pq tem algo errado. Ou é por causa de ' LAVAGEM DE ROUPA?'. Não tente calar o grito de quem se ofendeu, rapaz. Não seja egocêntrico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *