O carnaval só acaba na quarta-feira de cinzas, mas já dá pra dizer que a passagem de Baby do Brasil foi um dos melhores e piores momentos do carnaval de Natal. Quem queria ver algo além de samba, marchinhas e frevo pôde encontrar no Centro Histórico, no Tradicional Desfile das Kengas, uma apresentação rock tropicalista.

A apresentação foi vibrante, com o repertório repleto de clássicos da carreira solo da cantora e dos Novos Baianos. A banda estava inspirada, principalmente o guitarrista Pedro Baby, filho da cantora com Pepeu Gomes, que deu um show a parte. O público acompanhou dançando e cantando a maioria das músicas.

Como anunciado, houve a participação do parceiro Paulinho Boca de Cantor para relembrar músicas dos Novos Baianos. A relação de Baby com filho, Pedro Baby, é marcada por discretas trocas de afeto. Os dois lembraram também o aniversariante da noite, Pepeu Gomes, ex-marido de Baby e pai de Pedro, que está em Nova Iorque.

Mas a apresentação também foi marcada por uma desfeita preconceituosa da Baby. Durante o show, ela fez algumas falas em tom de pregação. O momento brochante foi logo depois da última música.

“Ser um homem feminino, não fere o meu lado masculino. Se Deus é menina e menino, sou masculino e feminino”, disse a cantora.

Na sequência Baby foi chamada ao palco para receber uma homenagem como Madrinha das Kengas. As Kengas da organização lhe deram uma coroa – uma espécie de tiara com um coquinho quebrado de detalhe, simbolizando as kenguinhas. A artista se negou a colocar o adereço na cabeça dizendo que “em sua cabeça só cabe a coroa de Jesus Cristo”.

A cantora ainda fez outro comentário homofóbico na sequência.

“Todo homem para mim é homem. E talvez o que tenha faltado para eles foi uma grande mulher”.

Algumas pessoas da plateia estavam de saída, mas quem ficou para ver a homenagem se revoltou e respondeu com uma sonora vaia para a cantora.