Se você está pretendendo viajar pela América do Sul, e está cogitando escolher o destino Peru, confira as dicas de quem já viajou para esse país lindo:

1. Leve dólares

money
Apesar da alta do dólar no Brasil, a moeda do Tio Sam é ainda a melhor opção na hora de trocar por Novos Soles, a moeda peruana. Quando viajei (fui em maio de 2016) um real valia em média 0,85 da moeda peruana e o dólar além de ser aceita em todos os lugares e ter a facilidade de trocar (no Peru tem milhões de casas de câmbio, troca-se dinheiro até mesmo nas ruas, mas nem todas aceitam reais) um dólar valia cerca de 3,31 novos soles. Fuja também da cotação de aeroportos, normalmente é 20% mais baixo que o normal.

2. Não compre nada (ou quase nada) com antecedência

-Oi? Como assim? Pirou? Viajar sem nenhuma reserva? É. Com exceção do ingresso para subir a montanha Wayna Picchu, que são disponibilizadas apenas 400 entradas por dia não reserve nenhum outro passeio, hotel, restaurante ou qualquer outra coisa com antecedência. Minha dica é pesquise e anote tudo que quiser fazer, mas vá negociar olhando no olho. O preço de absolutamente tudo no Peru, e na Bolívia também (mas aí já é um outro post), reduz drasticamente se você negociar. Use e abuse do espanhol ou portunhol, e também daquelas táticas de blefe que você aprendeu no pôquer.

3. Vá a Arequipa
13702321_10155029745525299_2065494651_o

Localizada a mais de mil km de Lima, capital peruana, Arequipa fica próximo de Cuzco, são cerca de 480 de distância. Nem tão badalada assim, a cidade é um destino imperdível, eles sabem como tratar o turista sem apelos ou insistências constrangedoras e tem um clima colonial com um ar de limpeza – nunca visto antes pelos lugares que fui por essas bandas. Se você for ao Peru, precisa certamente visitá-la, os preços são melhores que Cuzco e para lá reserve dois ou três dias pra dedicar a visita dos três vulcões em semi-atividade, águas termais, o Cânon de Colca e um city tour básico pela cidade. Se tiver tempo e disposição, a descida do rio Chili é indispensável, o rafting é leve, mas superdivertido e custa 60 por pessoa.Não deixe de conhecer a história da múmia Joanita que ainda possui sangue e material de DNA, mesmo após tanto tempo de congelamento. Joanita foi descoberta por acaso quando o vulcão que a abrigava passou por atividade, sua tumba foi arremessada e em 1995 historiadores a encontraram praticamente intacta; com todos os órgãos, sangue, cabelos etc. Você fica cara a cara com a menina, de uns 12 a 14 anos, oferecida aos Deuses em troca de água no Museu Santuarios Andinos, por lá paga-se em média de 20 novos soles para o tour e mais uma gorjeta para o guia. Ou seja, uma cidade peruana com ares coloniais, boa comida, bons preços, aventura e história.Um voo de Lima para Arequipa (só de ida) custa em média 290, 00 soles e de ônibus a passagem custa uns 90,00.

4. Programe-se para chegar bem cedo em Macchu Picchu
Panoramica de Cuzco

Chegar a Macchu Picchu, seja de trem ou pela trilha, é um rolé ma-ra-vi-lho-so.  As duas opções são válidas, mas para que você consiga sentir a energia do lugar tente chegar por lá antes das 9h / 10h da manhã. O parque abre às 6h da matina e tem muito para ser explorado. Depois desse horário, mesmo em dias de baixa estação o local fica lotado de pessoas e guias andando pra lá e pra cá, aí fica impossível tirar uma foto sozinho. Se for estudante e quiser economizar U$20 dólares no ingresso do parque faça a carteira de estudante da Isic (a única aceita por lá), que custa R$ 40,00 e demora mais ou menos um mês para chegar na residência.

13706116_10155029744620299_493512693_n
5. Vá em grupo ou faça amigos por lá

13509669_479372372272613_376258849_o

Eu também acho que viajar sozinho é tudo de bom. Mas como tudo pelas bandas dos Incas é negociado no boca a boca, termina que viajar com mais de uma pessoa te traz  um argumento a mais. Alguns passeios podem ficar mais legais e você ainda tem que tire suas fotos, por que cá pra nós pau de selfie é o mico das galáxias.

6. Não tenha medo da comida. Se jogue!

13692144_10155029743515299_1460299934_o

13709470_10155029743905299_1737211077_o

A comida peruana é um capítulo à parte. Se você quiser encarar os pratos feitos, o famoso PF, que custam a partir de 10 soles, ou seja, uns 12 reais, ou um restaurante chique de comida típica vai se deliciar com sabores e sensações jamais conhecidas antes. Tudo exótico, porém maravilhoso. Seja no PF da esquina ou no restaurante de guardanapo de pano, a ordem dos pratos é sempre essa: uma entrada (normalmente sopa ou salada), um prato principal e uma sobremesa.

7. Aprenda palavras em Quéchua

13692150_10155029743285299_137580087_o

13709684_10155029744495299_20892384_o
Quéchua é a língua mãe peruana língua que os Incas e outros povos falavam e a tradição de falar Quéchua se mantem.  Os Incas tinham três os mandamentos que os regiam, mas que servem para qualquer sociedade: “Ama sua, ama llulla, ama quella” em bom português “Não roube, não minta e não seja preguiçoso.”

8. Vá com tempo
13730630_10155029753885299_213262831_o
O Peru é aquele destino que você sempre vai querer voltar, disso não tenho dúvidas. Mas ir para passar três ou quatro dias em minha opinião é desperdício de tempo e dinheiro. Apesar de ser um país relativamente pequeno, sobretudo se comparado com o nosso, se tem muita coisa imperdível para conhecer.  Lima merece uns três dias para conhecer a orla de Miraflores, a Plaza das Armas, os palácios, visitar Museus; depois precisas ir a Cusco – o umbigo do mundo – e a cidade merece no mínimo três dias e mais dois em Macchu Picchu, um para chegar em Águas Calientes e outro dedicado a Macchu Picchu em si. Uma semana é o tempo mínimo para fazer o rolé basicão por lá.

9. Prefira os meses sem chuva

13702491_10155029753240299_970597865_o
Muitas agências de viagem oferecem pacotes bem mais baratos que o padrão no verão peruano, isso por que entre novembro e dezembro até março chove bastante na região, por isso algumas atrações ficam fechadas já que oferecem riscos aos turistas. Se não quiser ficar trancado no hostel vendo a chuva cair, fuja desses meses. O barato pode sair caro.

Bônus: Não volte sem beber Cusqueña

13694171_10155029743995299_1368596532_o

Tim tim, um brinde! A cerveja é deliciosa, saborosa e com o preço justo (custa 4 a 5 soles uma garrafa de 600ml). Detalhe: diferente do Brasil por lá as cervejas pilsen ou de trigo não tem preços distintos, a Cusqueña tem vários tipos e todas custam o mesmo valor. Você só vai rodar um pouquinho para achar cerveja gelada, como nós apreciamos, mas se pedir eles conseguem. Vale a pena provar o chocolate peruano, a cerveja e os sorvetes.