O ano de 2017 começou com expectativas positivas, principalmente em relação ao ano passado. Para começar bem, por exemplo, teremos 17 feriados durante o ano e com uma série de feriadões. Além disso, os desejos para a gente construir uma cidade melhor são inúmeros, tão grandes quanto os desafios que faltam para a gente chegar lá.

E são desafios de todos os tipos que vão desde superar o crônico problema do transporte público na cidade, como agir para evitar que casos de homofobia, preconceito de gênero e feminicídio ocorram. Há também a grande necessidade de se recuperar as praças e os espaços urbanos da cidade e em fortalecer os pequenos empreendedores da cidade.

Para falar um pouco disso, decidi enumerar alguns dos principais desafios que a cidade tem de superar. Muitos deles eu tenho plena consciência que vão demorar alguns bons anos para poderem ser superados, mas como aqui é um exercício de imaginação, eu penso em quão épico seria se conseguíssemos resolver estes problemas ainda neste ano.

Está curioso para saber quais são? Saca a lista abaixo. Sentiu falta de alguma coisa, sugere nos comentários.

1 – Licitação do transporte público

Adiada há anos e vista como uma forma de melhorar o serviço precário de transporte na cidade, a licitação pode sair este ano. A Prefeitura anunciou que vai receber as propostas das empresas no dia 31 de janeiro. É importante ficar de olho no processo, já que ele vai afetar sensivelmente a forma como o natalense se transporta pela cidade.

2 – Diminuição da violência

O ano de 2016 foi bem ruim para a segurança pública. De acordo com relatório do Observatório de Violência Letal Intencional, divulgado pela Tribuna do Norte, no ano passado morreram 1988 pessoas no Estado. Um recorde. A maioria vitimando negros e pardos. É uma pessoa a cada 4h. Vale a pena cobrar dos órgãos responsáveis uma política que altere esse quadro lastimável que o Estado passa.

3 – Mais eventos em áreas públicas

Ecopraça Natal

Eventos em áreas públicas como a Ecopraça, o Circuito Ribeira e a Virada Cultural de Natal são importantes por serem inclusivos e ajudarem na circulação de obras culturais na cidade. Uma pena, porém, que muitos deles sofrem com a falta de apoio de empresas privadas e do poder público para seguir em frente. De qualquer forma, precisam do nosso apoio para seguirem andando.

4 – Revitalização das praças

Por falar em praças, a situação de muitas delas na nossa cidade continua deplorável. Espaços públicos como esses são importantes e precisam ser mais valorizados pela gestão pública. Em 2017 precisamos cobrar da Prefeitura um melhor cuidado com as praças, além de ações como a realizações de feiras ao ar livre e eventos nos bairros.

5 – Melhor cuidado com as nossas praias

Um dos bens mais importantes de Natal é seu litoral e suas praias urbanas. É difícil negar a beleza das praias de Ponta Negra, Meio e Redinha. O lado ruim fica pela qualidade da nossa orla: em geral desorganizada, muitas vezes mal cuidada e até mesmo suja. É triste constatar esse problema. Para 2017 temos de cobrar a Prefeitura melhorias na orla das nossas praias, além de ficar de olho com os eventuais problemas ambientais que surgem.

6 – Valorização da nossa história

Um dos grandes problemas da nossa cidade é a falta de valorização da sua própria história. Natal tem uma história rica, que é contada poucas vezes, além de sofrer com o abandono de monumentos importantes, como o Forte dos Reis Magos. Iniciativas que valorizem a nossa história, como a Caminhada Histórica, são importantes e merecem não só serem incentivados, mas replicados.

7 – Menos homofobia e preconceito de gênero

. Foto: Paulo Pinto / Fotos Públicas

Uma das coisas chatas que marcaram 2016 foram situações envolvendo homofobia em bares na cidade. Houve também uma série de feminicídios cometidos no RN, além de outras situações de abuso. É preciso lutar contra isso e quando falo em luta, falo em não só cobrar ações do poder público, mas também agir nos nossos círculos para combater a homofobia e a misoginia reinantes. Uma sociedade mais igualitária é uma sociedade mais solidária e melhor. Precisamos atuar para construir isso.