Não é novidade para ninguém que Natal sofre com uma onde de violência que só parece aumentar ano a ano.

Aqui no nosso apartamento, já tratei deste tema três vezes: na primeira falei sobre o fato de que a cidade, hoje, está entra as mais violentas do mundo. No segundo texto abordando a falta de viaturas policiais e, na terceira, com as propostas dos candidatos a governador.

Desta vez fiz um apanhado de seis fatos, baseados nas notícias que os órgãos de imprensa divulgam e que dão um cenário real – e assustador – do que ocorre na cidade.

1 – Por conta da onda de assaltos, os supermercados estão fechando às 22h

Pois é, a onda de violência que assola Natal, junto com a falta de ação do Governo, fizeram os supermercados por aqui reduzirem o horário de funcionamento. Agora fecham às 22h porque, como disse o presidente da Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte (Assurn), Edmilson Marques, há pouco movimento e uma grande possibilidade de os estabelecimentos serem roubados.

2 – … E agora os bares também

A onda de assaltos também afeta muito os bares da cidade. Estabelecimentos principalmente na zona sul e na região turística da cidade estão sendo constantemente vítimas de arrastões. Além de causar medo nos clientes e um prejuízo tanto para o cidadão, quanto para o empresário, a violência e a falta de ações para contê-la está incentivando empresários a fechar os bares mais cedo. A Abrasel (Associação de Bares e Restaurantes) discute uma proposta semelhante aos supermercados: fechar os bares e restaurantes às 22h.

3 – Já são mais de mil homicídios só nos primeiros 7 meses de 2014.

No dia 22 de julho deste ano, o RN bateu a macabra marca de mil homicídios em 2014. É uma assustadora média de 142 mortes por mês, ou 4,7 por dia. São dados tristes para um Estado que, há bem pouco tempo atrás, era considerado seguro. Para se ter uma ideia da dimensão, o número é a metade do número de mortos na guerra entre o Hamas e Israel, na Faixa de Gaza.

4 – Enquanto a polícia? Bem, continua sem estrutura

Para se ter uma ideia, a frota da PM no Estado está 30% menor, mesmo com essa violência toda. O motivo: falta de pagamento e manutenção das viaturas. A coisa não para por aí: o patrulhamento noturno na zona sul de Natal, região que tem uma população de cerca de 168 mil pessoas, é feita por apenas seis veículos durante a noite. O caos da segurança pública no RN não é em vão. Essa notícia da Associação dos Cabos e Soldados do RN denuncia que a falta de rádios está fazendo os PMs usarem orelhões. Vergonhoso.

5 – O Governo segue inerte. E cortando custos.

Apesar de vez ou outra anunciar que está realizando medidas para coibir a onda de violência, o Governo do RN, responsável pela segurança ostensiva, segue cortando custos. Na semana passada anunciou uma redução de R$ 366 milhões do orçamento tanto do Executivo, quanto dos outros poderes. O corte afeta investimentos em áreas importantes. Dentre eles, a segurança.

6 – E nesse meio tempo, os assaltos aos ônibus também dispararam

A onda de violência afeta a cidade como um todo. E um dos grupos que mais reclamam disso são os motoristas de ônibus. Neste final de semana um motorista foi morto, o que motivou protestos dos rodoviários. Segundo o Sintro, neste ano foram 491 assaltos ao transporte público, numa média de 70 por mês. Para tentar coibir a crescente onda de assaltos, policiais a paisana vão fazer a segurança dos ônibus.